Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Qual será resposta síria a novos mísseis 'inteligentes' dos EUA?

A cada declaração do presidente dos EUA, Donald Trump, sobre seus "mísseis inteligentes", os sistemas de defesa antiaérea sírios terão sua própria resposta de mísseis, o que foi demonstrado pelo país em 14 de abril, assegurou à Sputnik o membro do Conselho Público junto ao Ministério da Defesa da Rússia, Igor Korotchenko.
Sputnik

Mais cedo, Sergei Rudskoy, chefe da Direção-Geral Operacional do Estado-Maior das Forças Armadas russas, disse aos jornalistas que os especialistas russos tinham detectado evidências de 22 mísseis terem atingido alvos, de um total de 105 anunciados pelos EUA, na sequência do ataque aéreo dos EUA e seus aliados.


"Os mísseis podem ser 'inteligentes', mas os sistemas da defesa antiaérea podem ser eficientes, por isso, para cada míssil 'astuto' haverá um míssil guiado, o que foi demonstrado pelo ótimo treinamento profissional dos soldados sírios. Nas declarações de Trump há muita publicidade, e para cada tweet de Trump sobre seus '…

Coalizão americana bombardeou Mossul 21 vezes em 24 horas

A coalizão militar liderada pelos Estados Unidos realizou 25 missões e conduziu 21 ataques aéreos em Mossul nas últimas 24 horas, segundo afirmou nesta terça-feira o porta-voz do Ministério da Defesa da Rússia, major-general Igor Konashenkov.


Sputnik


Os bombardeios da coalizão na cidade iraquiana, segundo o militar, seguem sendo realizados diariamente, enquanto na Síria, em Aleppo, as forças russas e as forças de Damasco estão inativas já há algum tempo. 


Caça F/A-18 Hornet durante uma missão de combate no Iraque
F/A 18 Super Hornet durante missão no Iraque © Foto: WikiMedia/Marinha dos EUA/Paul Farley

"As forças aéreas russas e sírias não estão ativas em Aleppo há mais de duas semanas. Ao mesmo tempo, bombardeiros estratégicos B-52N dos EUA, assim como caças F/A-18, partindo do porta-aviões Dwight D. Eisenhower, e (caças) Rafale-M, voando a partir do porta-aviões francês Charles de Gaulle, conduzem ataques em Mossul diariamente", afirmou Konashenkov. "Só nas últimas 24 horas, a coalizão realizou 25 incursões, conduzindo 21 bombardeios na cidade e nos subúrbios". 


A operação para retomar Mossul, controlada desde 2014 pelos jihadistas do Daesh (grupo terrorista proibido na Rússia e em diversos países), teve início no último dia 17. Mais de 30 mil militares do exército iraquiano e outros 4 mil combatentes curdos participam da ofensiva, que conta com o apoio de cinco mil soldados americanos em solo e da coalizão aérea liderada por Washington.

Postar um comentário