Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Curdos de Mossul: 'Daesh incendiava nossas casas porque somos xiitas'

Dezenas de aldeias e cidades nas proximidades de Mossul, onde os shabaks curdos residem, ainda estão sob o controle do Daesh. O dirigente do Conselho dos Shabaks, Razi Behcet, falou à Sputnik Turquia sobre as perseguições sofridas por seu povo nas mãos do Daesh.


Sputnik


Os shabaks são um grupo étnico-religioso que reside no Iraque. As estimativas sobre o número de pessoas desta etnia variam de 130.000 a 500.000. 


Shabaks curdos abandonam cidades e aldeias perto de Mossul
Shabaks curdos abandonam Mossul e arredores © Sputnik/ Hikmet Durgun

Desde 2014, quando Mossul foi conquistada pelo Daesh, 6.000 shabaks foram forçados a fugir das cidades e aldeias ao redor de Mossul. 


Os refugiados ficam em um acampamento chamado Hazyr, na estrada entre Mossul e Erbil. Razi Behcet disse à Sputnik Turquia que, no Iraque e no Curdistão iraquiano, há cerca de 750.000 shabaks. 

"Entre eles há xiitas e há sunitas também. Um número significativo de shabaks vive em Sulaimaniya, Sinjar, Erbil, Bagdá e Mossul. No entanto, a maioria deles vive em Mossul, onde há cerca de 85 aldeias ", disse Behcet.

Quando os terroristas do Daesh se apoderaram de Mossul, um número significativo de shabaks foi forçado a fugir da cidade porque foram perseguidos pelo Daesh devido à sua crença xiita.

"Eles se refugiaram em Bagdá e Erbil. No entanto, havia aqueles que não podiam deixar suas casas em Mossul. Os shabaks xiitas sofreram perseguições particularmente graves pelos jihadistas. Suas casas foram incendiadas; mulheres e crianças foram submetidas a torturas humilhantes", disse Behcet.
 

Ele destacou que milhares dos shabaks foram mortos um um massacre perpetrado pelo Daesh.

Segundo o líder do grupo étnico, no exército iraquiano e nas forças peshmerga há uma unidade separada composta por shabaks. Atualmente, os combatentes dessa força estão participando da operação de grande escala para libertar Mossul iniciada em 17 de outubro.



Postar um comentário