Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Área militar do governo brasileiro demonstra desconforto com suspensão de investigação do caso Queiroz

Integrantes da área militar do governo demostraram desconforto com o pedido de suspensão da investigação para apurar movimentações financeiras de Fabricio Queiroz consideradas "atípicas" pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).
Por Gerson Camarotti | G1

A avaliação de auxiliares do presidente Jair Bolsonaro é que essa decisão tomada pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), só faz prolongar o desgaste provocado pelo caso.

O ministro Luiz Fux atendeu pedido do deputado estadual e senador eleito Flavio Bolsonaro (PSL-RJ), de quem Queiroz foi assessor. O Coaf apontou movimentação de R$ 1,2 milhão em uma conta bancária de Queiroz durante um ano sem que houvesse esclarecimento.

Para esses auxiliares, foi uma surpresa a solicitação feita por Flávio Bolsonaro para suspender as investigações.

“Ainda não há uma explicação convincente. Enquanto isso não acontecer, o desgaste desse caso vai continuar. Já está demorando demais”, comentou ao blog um auxilia…

Curdos de Mossul: 'Daesh incendiava nossas casas porque somos xiitas'

Dezenas de aldeias e cidades nas proximidades de Mossul, onde os shabaks curdos residem, ainda estão sob o controle do Daesh. O dirigente do Conselho dos Shabaks, Razi Behcet, falou à Sputnik Turquia sobre as perseguições sofridas por seu povo nas mãos do Daesh.


Sputnik


Os shabaks são um grupo étnico-religioso que reside no Iraque. As estimativas sobre o número de pessoas desta etnia variam de 130.000 a 500.000. 


Shabaks curdos abandonam cidades e aldeias perto de Mossul
Shabaks curdos abandonam Mossul e arredores © Sputnik/ Hikmet Durgun

Desde 2014, quando Mossul foi conquistada pelo Daesh, 6.000 shabaks foram forçados a fugir das cidades e aldeias ao redor de Mossul. 


Os refugiados ficam em um acampamento chamado Hazyr, na estrada entre Mossul e Erbil. Razi Behcet disse à Sputnik Turquia que, no Iraque e no Curdistão iraquiano, há cerca de 750.000 shabaks. 

"Entre eles há xiitas e há sunitas também. Um número significativo de shabaks vive em Sulaimaniya, Sinjar, Erbil, Bagdá e Mossul. No entanto, a maioria deles vive em Mossul, onde há cerca de 85 aldeias ", disse Behcet.

Quando os terroristas do Daesh se apoderaram de Mossul, um número significativo de shabaks foi forçado a fugir da cidade porque foram perseguidos pelo Daesh devido à sua crença xiita.

"Eles se refugiaram em Bagdá e Erbil. No entanto, havia aqueles que não podiam deixar suas casas em Mossul. Os shabaks xiitas sofreram perseguições particularmente graves pelos jihadistas. Suas casas foram incendiadas; mulheres e crianças foram submetidas a torturas humilhantes", disse Behcet.
 

Ele destacou que milhares dos shabaks foram mortos um um massacre perpetrado pelo Daesh.

Segundo o líder do grupo étnico, no exército iraquiano e nas forças peshmerga há uma unidade separada composta por shabaks. Atualmente, os combatentes dessa força estão participando da operação de grande escala para libertar Mossul iniciada em 17 de outubro.



Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas