Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Israel prende o governador palestino de Jerusalém

Motivo da detenção foram crimes cometidos na Cisjordânia ocupada, segundo a Organização para a Libertação da Palestina.
France Presse

Israel prendeu o governador palestino de Jerusalém por crimes que teria cometido na Cisjordânia ocupada, que não foram especificados, informou a Organização para a Libertação da Palestina (OLP).

O governador Adnan Gheith foi detido no sábado (20) à noite no bairro palestino de Beit Hanina, em Jerusalém Oriental, ocupada e anexada por Israel. Será apresentado a um tribunal dentro de quatro dias, afirma a OLP em um comunicado.

Para o dirigente da OLP Saeb Erakat, a detenção é "um novo passo contra a presença palestina em Jerusalém" e constitui uma violação da legislação israelense a respeito das instituições palestinas da cidade.

"As ameaças contra dirigentes palestinos, sua detenção, inclusive o 'sequestro' do governador Gheith, são parte de um plano que pretende sufocar todas as bases de uma solução política com dois Estados e com as f…

Curdos de Mossul: 'Daesh incendiava nossas casas porque somos xiitas'

Dezenas de aldeias e cidades nas proximidades de Mossul, onde os shabaks curdos residem, ainda estão sob o controle do Daesh. O dirigente do Conselho dos Shabaks, Razi Behcet, falou à Sputnik Turquia sobre as perseguições sofridas por seu povo nas mãos do Daesh.


Sputnik


Os shabaks são um grupo étnico-religioso que reside no Iraque. As estimativas sobre o número de pessoas desta etnia variam de 130.000 a 500.000. 


Shabaks curdos abandonam cidades e aldeias perto de Mossul
Shabaks curdos abandonam Mossul e arredores © Sputnik/ Hikmet Durgun

Desde 2014, quando Mossul foi conquistada pelo Daesh, 6.000 shabaks foram forçados a fugir das cidades e aldeias ao redor de Mossul. 


Os refugiados ficam em um acampamento chamado Hazyr, na estrada entre Mossul e Erbil. Razi Behcet disse à Sputnik Turquia que, no Iraque e no Curdistão iraquiano, há cerca de 750.000 shabaks. 

"Entre eles há xiitas e há sunitas também. Um número significativo de shabaks vive em Sulaimaniya, Sinjar, Erbil, Bagdá e Mossul. No entanto, a maioria deles vive em Mossul, onde há cerca de 85 aldeias ", disse Behcet.

Quando os terroristas do Daesh se apoderaram de Mossul, um número significativo de shabaks foi forçado a fugir da cidade porque foram perseguidos pelo Daesh devido à sua crença xiita.

"Eles se refugiaram em Bagdá e Erbil. No entanto, havia aqueles que não podiam deixar suas casas em Mossul. Os shabaks xiitas sofreram perseguições particularmente graves pelos jihadistas. Suas casas foram incendiadas; mulheres e crianças foram submetidas a torturas humilhantes", disse Behcet.
 

Ele destacou que milhares dos shabaks foram mortos um um massacre perpetrado pelo Daesh.

Segundo o líder do grupo étnico, no exército iraquiano e nas forças peshmerga há uma unidade separada composta por shabaks. Atualmente, os combatentes dessa força estão participando da operação de grande escala para libertar Mossul iniciada em 17 de outubro.



Postar um comentário

Postagens mais visitadas