Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialista: exército sírio deteve 300 militares franceses de diversas patentes

O presidente Vladimir Putin, em conversa com o presidente sírio Bashar Assad, em Sochi, declarou que, devido ao sucesso da luta antiterrorista das forças sírias e ao início do processo político, as tropas estrangeiras deveriam se retirar do território da Síria.
Sputnik

"A declaração de Vladimir Putin durante seu encontro com Bashar Assad, sobre a necessidade da retirada dos contingentes estrangeiros da Síria, arruína os sonhos dos agressores, que contam com a tentativa de realizar seus objetivos na região através de mercenários criminosos", disse à Sputnik Árabe Akram al Shalli, analista da Gestão Síria de Crise e Guerras Preventivas.

"Nas mãos do exército sírio há oficiais dos serviços de inteligência dos EUA, Grã-Bretanha, países árabes e Israel. Por exemplo, só o número de militares franceses de diversos escalões é de 300 pessoas. Notamos tentativas de exercer pressão sobre o governo sírio, inclusive para libertar os militares estrangeiros presos. Mas esses sonhos não p…

Curdos de Mossul: 'Daesh incendiava nossas casas porque somos xiitas'

Dezenas de aldeias e cidades nas proximidades de Mossul, onde os shabaks curdos residem, ainda estão sob o controle do Daesh. O dirigente do Conselho dos Shabaks, Razi Behcet, falou à Sputnik Turquia sobre as perseguições sofridas por seu povo nas mãos do Daesh.


Sputnik


Os shabaks são um grupo étnico-religioso que reside no Iraque. As estimativas sobre o número de pessoas desta etnia variam de 130.000 a 500.000. 


Shabaks curdos abandonam cidades e aldeias perto de Mossul
Shabaks curdos abandonam Mossul e arredores © Sputnik/ Hikmet Durgun

Desde 2014, quando Mossul foi conquistada pelo Daesh, 6.000 shabaks foram forçados a fugir das cidades e aldeias ao redor de Mossul. 


Os refugiados ficam em um acampamento chamado Hazyr, na estrada entre Mossul e Erbil. Razi Behcet disse à Sputnik Turquia que, no Iraque e no Curdistão iraquiano, há cerca de 750.000 shabaks. 

"Entre eles há xiitas e há sunitas também. Um número significativo de shabaks vive em Sulaimaniya, Sinjar, Erbil, Bagdá e Mossul. No entanto, a maioria deles vive em Mossul, onde há cerca de 85 aldeias ", disse Behcet.

Quando os terroristas do Daesh se apoderaram de Mossul, um número significativo de shabaks foi forçado a fugir da cidade porque foram perseguidos pelo Daesh devido à sua crença xiita.

"Eles se refugiaram em Bagdá e Erbil. No entanto, havia aqueles que não podiam deixar suas casas em Mossul. Os shabaks xiitas sofreram perseguições particularmente graves pelos jihadistas. Suas casas foram incendiadas; mulheres e crianças foram submetidas a torturas humilhantes", disse Behcet.
 

Ele destacou que milhares dos shabaks foram mortos um um massacre perpetrado pelo Daesh.

Segundo o líder do grupo étnico, no exército iraquiano e nas forças peshmerga há uma unidade separada composta por shabaks. Atualmente, os combatentes dessa força estão participando da operação de grande escala para libertar Mossul iniciada em 17 de outubro.



Postar um comentário