Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

'Destituição do sistema de Estado no Oriente Médio criou um novo centro de poder'

A destituição do sistema de Estado em uma série de países árabes foi responsável pela criação de um novo centro de poder no Oriente Médio, composto por países não árabes – Irã, Turquia e Israel, acredita o diretor do Instituto de Estudos Orientais da Academia de Ciências da Rússia, professor Vitaly Naumkin. 


Sputnik

"No início deste século, foi iniciada a destituição do sistema de Estado no Oriente Médio. As consequências desta destituição podem ser tão sérias ao ponto de causar a mudança de fronteiras, sobre isso é discutido hoje em dia. Penso que será uma catástrofe para o Oriente Médio", disse Naumkin durante fórum internacional.


Mapa do Oriente Médio
© Foto: Wikipedia/Geografia do Oriente Médio


Segundo o especialista, atualmente, alguns países são considerados "fracassados" – Síria, Líbia, Egito, parcialmente, Iraque e Sudão do Sul.

"É desenvolvida uma crise aguda de identidade relacionada a razões internas muito profundas, bem como uma intervenção externa”, sublinhou Naumkin. 


Naumkin frisa que o colapso do sistema de Estado e a criação de novos países no âmbito da crise atual não são coisas que precisam as nações do Oriente Médio. 

"O que estamos percebendo hoje é fruto da mudança do centro de poder na região. Se antes, os três pilares do mundo árabe eram Egito, Síria e Iraque, hoje em dia todos [os três] se enfraqueceram, o 'centro de gravidade' deslocou-se parcialmente em direção aos outros países árabes, como a Arábia Saudita, ou para fora do mundo árabe no Oriente Médio, para os três países que não fazem parte do mundo árabe – o Irã, a Turquia e Israel – que estão ainda mais fortes", disse Naumkin.

Contudo, o especialista destacou que estes países também possuem problemas não resolvidos, por exemplo, o conflito palestino-israelense e o problema curdo na Turquia.

"A incerteza e imprevisibilidade da situação no Oriente Médio, será, com certeza, um fator determinante sobre o qual todos nós precisamos trabalhar, partindo do ponto que precisamos cooperar, principalmente, na luta contra o terrorismo", concluiu o especialista.


Postar um comentário