Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Egito nega ter enviado tropas à Síria

Ministério dos Negócios Estrangeiros egípcio rejeitou notícias de que o Cairo teria enviado tropas para a Síria, de acordo com a declaração oficial do porta-voz do ministério.


Sputnik

O Egito negou neste domingo (27), ter enviado tropas à Síria e reafirmou seu compromisso de respeitar a soberania de outras nações. A declaração foi atribuída a seu porta-voz do Ministério de Relações Exteriores. 


Egyptian soldiers stand as the Egyptian flag is raised on the BPC Anwar el Sadate military cruise ship during the flag ceremony on September 16, 2016 in Saint-Nazaire, western France
Militares egípcios © AFP 2016/ LOIC VENANC
 
"Alguns jornais árabes relataram sobre a presença militar egípcia na Síria. O Egito está comprometido com o princípio da não-ingerência nos assuntos internos de outros países", disse o Ministério, em nota por meio do Facebook.

O porta-voz destacou ainda que existem procedimentos constitucionais antes do envio de tropas ao exterior que o Egito precisa seguir. "E essas ações não podem ser tomadas secretamente sem informar o povo egípcio sobre seus objetivos", acrescentou.

Um porta-voz do governo russo disse no início deste mês que não podia confirmar os relatos de que os soldados egípcios estavam presentes na Síria. Muitos países árabes do Golfo apoiam forças de oposição na Síria.



Postar um comentário