Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Única mulher a bordo do submarino argentino desaparecido é oficial pioneira

Eliana María Krawczyk, de 35 anos, é a 'primeira submarinista' da Argentina. O ARA San Juan desapareceu com 44 tripulantes no Atlântico Sul.
G1

Única mulher no submarino militar argentino desaparecido com 44 tripulantes no Atlântico Sul, Eliana María Krawczyk, de 35 anos, é descrita pela imprensa local como primeira oficial submarinista do país e da América do Sul. Ela ocupa o cargo de chefe de armas do ARA San Juan, que perdeu contato com a terra na sexta-feira (17).

Eliana nasceu em Oberá, na província de Misiones, no nordeste da Argentina, e só conheceu o mar aos 21 anos de idade, destaca o perfil do jornal "Clarín". Após se formar no ensino médio, ela se matriculou na Universidade de Misiones para fazer faculdade de Engenharia Industrial.

Duas tragédias familiares levaram Eliana a desistir do curso: a morte de um irmão, em um acidente de trânsito, e a morte da mãe, em decorrência de um problema cardíaco.

Em um perfil publicado em 2015 na revista "Viva", que …

Especialista explica por que T-15 russo é o veículo bélico ideal para guerras atuais

O veículo blindado de infantaria T-15 se difere radicalmente dos seus antecessores e, provavelmente, adequa-se mais aos conflitos no Oriente Médio ou na Europa do que os seus análogos americanos. 


Sputnik

Os especialistas que dão atenção especial para o tanque T-14, acabam ignorando o promissor veículo blindado T-15 com base na mesma plataforma Armata. No entanto, o veículo blindado de infantaria T-15 se difere radicalmente dos seus antecessores e, provavelmente, adequa-se mais aos conflitos no Oriente Médio ou na Europa do que os seus análogos americanos, diz Sebasten Roble, colunista da revista analítica norte-americana The National Interest.


Preparativos do tanque T-15 Armata para a exposição internacional de equipamento militar Russia Arms Expo
T-15 © Sputnik/ Alexey Malgavko

O T-15 combina as características dos dois tipos dos veículos militares – veículos blindados de infantaria e veículos pesados de transporte de pessoal, segundo Roble. A lógica de tal arma é refletida no conceito da obra, que busca se adequar às mudanças das condições de combate: se durante a Guerra Fria, os tanques assumiam a posição de armas dominantes no teatro de guerra europeu devido à capacidade de manobra e rápida locomoção, nas condições atuais (após a Guerra Fria), os exércitos modernos travam combates prolongados no meio urbano (por exemplo, em Beirute, Grozny, Fallujah, Gaza ou em Aleppo), onde os veículos de infantaria ficam vulneráveis, pois não podem receber apoio da infantaria. Além disso, armas modernas antitanque são capazes de destruir quase todos os tanques.

O veículo T-15 é blindado, pesa 49 toneladas e é capaz de atingir aceleração de até 70 km/h, ultrapassando as capacidades do análogo norte-americano Bradley, que pesa cerca de 30 toneladas, de acordo com o autor da publicação. Além disso, o T-15 é armado com um dos mais poderosos sistemas de mísseis antitanque no mundo, o Kornet. 


"Quantos T-15 vão ser produzidos? Eles vão substituir os veículos de infantaria BMP, vão ser utilizados nos regimentos blindados ou vão constituir unidades independentes? <…> Em qualquer caso, o T-15 é inovador, mais bem preparado para competir com armas antitanque pesadas nos conflitos atuais", observa o analista. 

Combates em áreas urbanas, como Aleppo ou Mosul, são a principal preocupação dos estrategistas militares. Os veículos blindados pesados, como o T-15, parecem ser ideais para tais tarefas, conclui o colunista da revista norte-americana The National Interest.

Postar um comentário