Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Pyongyang: 3 porta-aviões perto da Coreia do Norte são uma ameaça de guerra nuclear

A ONU "fecha os olhos aos exercícios de guerra nuclear dos EUA, que estão empenhados em causar um desastre catastrófico para a humanidade", declarou o embaixador norte-coreano na ONU, Ja Song-nam.
Sputnik

As autoridades norte-coreanas classificaram na segunda (13) o deslocamento sem precedentes de 3 grupos de porta-aviões dos EUA para a zona da península da Coreia como uma "postura de ataque".


O representante norte-coreano permanente na ONU, Ja Song-nam, expressou em uma carta enviada ao secretário-geral da ONU o descontentamento do seu governo com os exercícios militares de Seul, Tóquio e Washington. Estes, segundo o diplomata, estão criando "a pior situação para a península da Coreia e seus arredores".

"Os EUA são os principais responsáveis por escalar as tensões e comprometer a paz", declarou Ja Song-nam.

Além da presença de 3 porta-aviões estadunidenses (Nimitz, Ronald Reagan e Theodore Roosevelt), Washington continua realizando voos de bombarde…

Estônia prepara sua população para a guerra

O governo estoniano pretende completar seu programa de defesa civil contra eventuais catástrofes naturais e acidentes tecnológicos com um plano de ações militares e de segurança em caso de guerra. 

Sputnik

As respectivas informações foram publicadas na quinta-feira (06) no jornal estoniano Eesti Paevaleht. 
Tallinn, capital da Estônia
Tallin, capital da Estônia © Sputnik/ Vladimir Pesnya
Segundo Margo Klaose, chefe do grupo de defesa da população criado pelo Ministério do Interior do país, uma boa preparação dos residentes será essencial para contenção militar e poderá ajudar a prevenir ataques militares.

Ele destaca que há necessidade de aumentar os conhecimentos das pessoas, treinar suas capacidades de reagir a possíveis situações de emergência.

"O fato de os residentes estarem bem preparados é um dos argumentos para não atacar", ressaltou. 
Funcionários estonianos estão desenvolvendo programas que visam preparar as pessoas e instituições no caso de interrupção de energia elétrica, comunicações e outras situações de emergência. 
Estima-se que a primeira versão do conceito seja submetida à análise do governo no início do ano que vem.

Postar um comentário