Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Exército da Síria retoma mais um distrito de Aleppo

As tropas do governo sírio e milícias populares retomaram o controle do distrito de Al-Assad, no oeste de Aleppo, que havia sido invadido por rebeldes extremistas no mês passado, segundo informou à RIA Novosti um representante do Hezbollah.


Sputnik


Tanto o grupo libanês quanto as forças armadas populares decidiram fazer parte da ofensiva para recapturar, junto com o exército, a vila de Minyan, localizada perto de Al-Assad. 


Aleppo, Síria
Aleppo © REUTERS/ Ammar Abdullah

"O exército e as milícias expulsaram os terroristas do distrito de Al-Assad", disse a fonte, destacando que os militantes poderiam minar alguns territórios durante a retirada. 


O Hezbollah tem prestado apoio nos combates aos grupos terroristas da Síria desde o início dos conflitos no país, desempenhando papel fundamental na proteção da fronteira entre a Síria e o Líbano. Os líderes do movimento defendem a legitimidade do governo de Bashar Assad na luta contra as diferentes forças rebeldes que tentam derrubar o regime pelas armas.


Postar um comentário