Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: presidente ucraniano mata sua indústria ao introduzir novas sanções contra Rússia

O presidente da Ucrânia, Pyotr Poroshenko, assinou um decreto sobre as sanções contra a Rússia adotadas pelo Conselho de Defesa e Segurança Nacional da Ucrânia. O especialista Eduard Popov falou com a Sputnik e indicou qual o principal objetivo perseguido pelo governo ucraniano com tal iniciativa.
Sputnik

Em 2 de maio, o Conselho de Defesa e Segurança Nacional da Ucrânia ampliou as medidas restritivas em relação a diversas pessoas físicas e jurídicas russas, bem como prolongou a vigência das sanções introduzidas anteriormente.

Segundo informou a assessoria de imprensa da entidade, as sanções são aplicadas a pessoas "relacionadas com a agressão no ciberespaço e no campo informacional" contra a Ucrânia, "ações criminosas" contra os cidadãos ucranianos detidos na Rússia, bem como aos deputados da Duma de Estado e do Conselho da Federação da Rússia.

O diretor do Centro de Cooperação Pública e Informativa "Europa", Eduardo Popov, disse ao serviço russo da Rádio Sp…

Lavrov: EUA acusam Rússia de barbaridade se esquecendo da sua agressão na Iugoslávia

Os bombardeios da Iugoslávia pelas tropas da OTAN em 1999 foram uma agressão – o primeiro ataque na Europa contra um país soberano depois de 1945. Os ataques afetaram um grande número de instalações civis, inclusive a televisão da Sérvia, pontes e trens de passageiros, disse o chefe da diplomacia russa, Sergei Lavrov.


Sputnik


"A agressão contra a Iugoslávia foi, precisamente, uma agressão. Além disso, foi o primeiro ataque armado na Europa contra um país soberano depois de 1945. Se falamos disso agora, o que acontece em torno de Síria, os nossos parceiros ocidentais, principalmente os norte-americanos, bem como os britânicos, atingem na sua histeria acusações públicas, usando palavras como 'barbaridade', 'crimes de guerra'. Quero lembrar que a agressão contra a República Federal da Iugoslávia incluiu ataques contra o grande número de instalações civis, inclusive, entre outras, a televisão da Sérvia, pontes através das quais passavam trens de passageiros e muitas outras coisas", disse Lavrov em entrevista ao canal de televisão russo Rossiya 1. 


Ministro das Relações Exteriores russo Sergei Lavrov na reunião dos líderes dos países-membros da Comunidade dos Estados Independentes, Quirguistão, 16 de setembro de 2016
Sergei Lavrov Ministro das Relações Exteriores da Rússia © Sputnik/ Grigory Sysoev

Segundo ele, desde aquele momento ninguém se lembrou dos milhares de mortos, inclusive alguns milhares de crianças, dos 250 mil refugiados. 


"Se a Rússia, representada por Evgeny Primakov [que naquele momento exercia funções de primeiro-ministro russo], não tivesse reagido da forma como reagiu a esta grave violação do direito internacional nós, se calhar, não nos teríamos perdoado por muito tempo e a nossa história teria ficado com mais uma página pouco agradável. Ele fez com que a Rússia demonstrasse o seu caráter e tomasse a única posição correta naquele momento", acrescentou.
 

Em 1999 confrontos armados entre separatistas albaneses do Exército de Libertação de Kosovo e o exército e a polícia da Sérvia levaram a bombardeamentos da Iugoslávia pelas forças da OTAN.

Em 2004, os albaneses kosovares organizaram pogroms que resultaram na fuga dos sérvios da região. Em 17 de fevereiro de 2008, os kosovares proclamaram a independência da Sérvia. A república não foi reconhecida pela Sérvia, Rússia, China, Israel, Irã, Espanha e outros países.


Postar um comentário