Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

'Sangue e caos': príncipe saudita chama Trump de 'oportunista' por decisão sobre Jerusalém

O ex-chefe da inteligência saudita, o Príncipe Turki al-Faisal, criticou o reconhecimento do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de Jerusalém como a capital de Israel, em uma das mais acentuadas reações do reino aliado de Washington no Oriente Médio.
Sputnik

Em uma carta a Trump publicada em um jornal saudita nesta segunda-feira, o príncipe Turki, um ex-embaixador em Washington que agora não ocupa nenhum cargo do governo, mas continua influente, chamou a decisão de uma estratagema política doméstica que provocaria violência.


"O derramamento de sangue e o caos definitivamente seguirão sua tentativa oportunista de ganhar eleitoralmente", escreveu o príncipe Turki em uma carta publicada no jornal saudita al-Jazeera.

Trump inverteu décadas de política dos EUA e virou do consenso da crítica internacional na semana passada, reconhecendo Jerusalém como a capital de Israel. A maioria dos países diz que o status da cidade deve ser deixado para negociações entre Israel e os pales…

Militares turcos dizem ter atingido 71 alvos do Estado Islâmico na Síria

5 combatentes morreram, diz o exército. Outros 8 foram mortos pela coalizão.
Turquia faz a operação 'Escudo do Eufrates', para afastar o EI da fronteira.


Reuters

Militares turcos atingiram 71 alvos do Estado Islâmico na Síria nas últimas 24 horas, afirmou o exército do país neste sábado (5), intensificando os ataques contra o grupo terrorista, que se diz responsável pelo último ataque a bomba no sudeste da Turquia.


Pessoas caminham perto de prédios destruídos por uma explosão em Diyarbakir, na Turquia. O ataque com carro-bomba, ocorrido após a prisão de líderes curdos, deixou no mínimo oito mortos e 100 feridos (Foto: Ilyas Akengin/AFP)
Pessoas caminham perto de prédios destruídos por uma explosão em Diarbaquir (Foto: Ilyas Akengin/AFP)

Cinco combatentes do EI foram mortos nos ataques, assim como cinco rebeldes turcos e um soldado turco, segundo o exército. Comunicado da instituição diz que forças de coalização conduziram ataques aéreos que mataram outros oito militantes do grupo.

A Turquia está apoiando um grupo de sírios árabes e turcos no norte da Síria, em uma operação denominada "Escudo do Eufrates", para afastar o Estado Islâmico do sul de sua fronteira.

O grupo sunita assumiu a autoria de um ataque com um carro-bomba na cidade de Diarbaquir, a capital das zonas curdas da Turquia, que matou nove pessoas e deixou mais de 100 feridas. As autoridades turcas haviam atribuído o ataque ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).



Postar um comentário