Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Ministro da Defesa russo: cooperação militar com China não ameaça países terceiros

A cooperação militar russo-chinesa contribui para a consolidação da paz e estabilidade no continente euroasiático e para além dele. Esta cooperação não é dirigida contra outros países e não representa ameaça para eles, declarou hoje (23) ministro da Defesa russo, general Sergei Shoigu.


Sputnik


"Frente à instabilidade política mundial é importante que a Rússia e a China mostrem a prontidão de defender a paz e consolidar a segurança internacional. Destaco que a cooperação bilateral militar não é dirigida contra outros países, não representa ameaça e favorece a solidificação da paz e estabilidade no continente euroasiático e para além dele", disse Shoigu durante um encontro com o ministro da Defesa da China, coronel-general Chang Wanquan. 


Russia's Defense Minister Sergei Shoigu
Serguei Shoigu © Sputnik/ Sergei Guneev

Shoigu frisou que a cooperação militar e técnico-militar entre a Rússia e a China "é focada no aumento da capacidade de enfrentar os desafios e ameaças modernos, em primeiro lugar, o terrorismo internacional". 


O ministro apontou que a Rússia está interessada na intensificação da cooperação com a China, no âmbito da Organização de Cooperação de Xangai. 

Ele também saudou a disposição de Pequim de realizar no seu território uma série de Jogos Militares internacionais no ano de 2017. "Isso vai ajudar a expandir a geografia dos Jogos e aumentar a sua popularidade", disse o Shoigu.

Segundo a avaliação do ministro russo, "as relações russo-chinesas estão em um nível alto e continuam se desenvolvendo de forma constante". "Os encontros regulares entre líderes de nossos países incutem a dinâmica necessária ao desenvolvimento da parceira global e interação estratégica, inclusive na área militar", disse Sergei Shoigu, sublinhando que Vladimir Putin e Xi Jinping já realizaram cinco encontros neste ano para discutir a cooperação bilateral.

O ministro salientou que "a expansão das relações com a China pela linha dos departamentos de defesa é a prioridade incondicional". 


Shoigu assinalou que na quarta-feira (23) ele e o coronel-general Xu Quilang, vice-presidente do Comitê Central Militar chinês, realizaram a vigésima primeira reunião sobre assuntos da cooperação técnico-militar e estão "satisfeitos com o resultado". 

Ele expressou confiança de que a atual reunião com o ministro da defesa da China servirá para fortalecer ainda mais a parceria estratégica entre a Rússia e a China e as forças armadas dos dois países.

Postar um comentário