Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

ONU é alvo de protestos em massa no Iêmen por 'cumplicidade' com bombardeios sauditas

Centenas de pessoas se manifestaram nesta terça-feira (25) na capital do Iêmen, Sanaa, contra a suposta "cumplicidade" das Nações Unidas na mortífera guerra que já dura 19 meses no país.


Sputnik


Os manifestantes se reuniram do lado de fora de um hotel na cidade controlada pelos rebeldes houthis, onde o enviado da ONU Ismail Ould Cheikh Ahmed estava hospedado enquanto tentava convencer as partes em conflito a aceitar um cessar-fogo e retomar as negociações de paz. 


Mulheres iemenitas que apoiam os rebeldes xiitas Houthis protestam contra os ataques aéreos da coalizão liderada pela Arábia Saudita em frente ao hotel onde o enviado das Nações Unidas para o Iêmen, Ismail Ould Cheikh Ahmed, estava hospedado. Sanaa, em 25 de Outubro de 2016.
Manifestantes protestando conta a ONU no Iêmen © AFP 2016/ MOHAMMED HUWAIS

"Fora, fora do Iêmen", gritavam os manifestantes para o enviado da ONU, a quem acusavam de "simpatizar com Al-Saud," a família real saudita, segundo relata a AFP. 


A Arábia Saudita está liderando uma coalizão militar que tem bombardeado o Iêmen desde março de 2015, em apoio ao governo do presidente exilado Abd Rabbuh Mansur Hadi. A manifestação de hoje, convocada pelos rebeldes, terminou quando o enviado da ONU deixou o hotel e partiu para o aeroporto de Sanaa, segundo testemunhas.

Postar um comentário