Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Os curdos continuarão promovendo a linha de federalização na Síria, afirmou a política curda Hediye Yusuf.

Os curdos continuarão promovendo a linha de federalização na Síria, afirmou a política curda Hediye Yusuf.


Sputnik


O tema de federalização e desintegração da Síria já se discute há algum tempo. Os especialistas preveem consequências catastróficas de um colapso sírio. O processo de federalização pode ser considerado como um passo nesta direção com início no norte do país onde vivem os curdos sírios. 


Co-presidente do Conselho constituinte do sistema federativo democrático do Norte da Síria, Hediye Yusuf
Co-presidente do Conselho constituinte do sistema federativo democrático do Norte da Síria, Hediye Yusuf © Sputnik/ Hikmet Durgun

A copresidenta do Conselho constituinte do sistema federativo democrático da Síria do Norte, Hediye Yusuf, contou em entrevista à Sputnik qual é a situação no norte da Síria e se seu objetivo é desintegrar o país no final de contas.
 

"Anunciamos a criação de uma federação para proteger o nosso povo de descriminação das autoridades e para resolver problemas da população local e todo o povo sírio", afirmou Yusuf.

Segundo a copresidenta, os residentes do Norte e do território de Rojava, onde vivem os curdos sírios, não podiam desenvolver sua cultura e sua identidade.

"Surgiu a necessidade de criar uma federação para o bem-estar futuro dos povos que vivem no mesmo território. Além disso, consideramos que o sistema federativo é a melhor variante para governar a Síria. Vemos que no âmbito de um sistema federativo, em muitas regiões do mundo, as pessoas vivem bem e de forma livre nos limites territoriais do país", disse Yusuf. 


A política afirmou que seu objetivo não é desintegrar a Síria. 

"Não permitiremos desintegrar a Síria. Tudo o que queremos é uma democratização da Síria <…>", disse. 

Yusuf disse que o Conselho estabeleceu a autonomia democrática nos cantões de Kobani, Jazira e Afrin. Kobani e Jazira se uniram. Se Kobani e Afrin também se unirem, todas as regiões do norte da Síria serão um conjunto integrado. 

A política contou que agora a Federação de Rojava e Norte da Síria desenvolvem a cooperação militar com os EUA e outros membros da coalizão internacional, mas o regime sírio ainda não a reconheceu. Entretanto, nenhum deles acordou prestar ajuda aos curdos no que toca ao funcionamento de federação na Síria. Apesar disso, a Federação quer estabelecer laços com a Rússia.

"O desenvolvimento de contatos com a Rússia, a troca de opiniões sobre assuntos cruciais é um direito nosso. Queremos desenvolver e manter boas relações com a Rússia, EUA, França e outros países que têm um papel fundamental na Síria", disse. Yusuf afirmou que a Federação tentará fazer todo o possível para expressar sua posição por meios diplomáticos.


Postar um comentário