Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares dos EUA prometem responder a possível ataque turco contra cidade síria de Manbij

Os militares norte-americanos prometeram responder a qualquer ataque contra a cidade síria de Manbij à luz de uma possível operação turca na área, afirmou o comandante do Conselho Militar de Manbij, que faz parte das Forças Democráticas da Síria (FDS), Ebu Adil.
Sputnik

Em entrevista à Sputnik Turquia, Ebu Adil comentou a resposta dos EUA às preocupações expressas pelos representantes do Conselho Militar de Manbij devido a um possível ataque contra a cidade síria por parte de Ancara.


"Há dois anos, em conjunto com as forças da coalizão liderada pelos EUA, nós limpamos Manbij do Daesh [organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países]. Desde então, na cidade se encontram forças da coalizão. Algum tempo atrás, nós falamos com os militares norte-americanos sobre um possível ataque da Turquia contra Manbij. Os militares dos EUA prometeram responder a qualquer ataque contra a cidade, de onde quer que ele provenha", afirmou o comandante do conselho.

Além disso, ele …

OTAN confessa: Rússia não é uma ameaça

A Rússia não representa uma ameaça para os aliados da OTAN e a Aliança está buscando uma relação mais de parceria com Moscou, disse o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, em entrevista à Deutsche Welle. 


Sputnik

"Não enxergamos a Rússia como uma ameaça inquestionável para qualquer aliado da OTAN" – confessou Stoltenberg.


Jens Stoltenberg, secretário-geral da OTAN
Jens Stoltenberg © AP Photo/ Thierry Monasse


O secretário-geral da Aliança destacou ainda que não se pode falar em uma nova Guerra Fria, já que, atualmente, não existem dois blocos militares em oposição, como acontecia entre os países do tratado de Varsóvia e a OTAN na segunda metade do século passado.

"Nos esforçamos para manter uma relação mais construtiva com a Rússia, porque ela é nossa vizinha" – acrescentou. 


Apesar disso, Stoltenberg admitiu que a defesa coletiva da OTAN aumentou consideravelmente em relação ao tempo da Guerra Fria, triplicando o número de suas forças de reação rápida para 40 mil militares.

Ele lembrou igualmente, que novos quatro batalhões de mil homens cada foram instalados este ano nos três países bálticos (Estônia, Letônia, Lituânia) e na Polônia, como parte de um aumento sem precedentes da presença militar da Aliança na Europa Oriental.

Este plano foi aprovado pela OTAN em julho com base numa política de contenção da Rússia, acusada pela Aliança de ter desestabilizado a situação na Ucrânia. Moscou, por sua vez, nega qualquer acusação de agressão contra si e considera como provocativa a presença ampliada das forças da OTAN nas imediações de suas fronteiras.



Postar um comentário