Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialistas: aumenta o risco de guerra entre os EUA, a Rússia e a China

O desenvolvimento de novos tipos de armas nucleares de "baixa potência" aumenta o risco de uma guerra entre os EUA, a Rússia e a China, segundo especialistas consultados por Newsweek.
Sputnik

O Pentágono está desenvolvendo dois novos tipos de armas nucleares, para acompanhar os progressos da Rússia e da China nesse terreno. Os especialistas tiveram acesso às minutas do projeto de doutrina nuclear norte-americana, que acusa Moscou e Pequim de ampliar as suas capacidades nucleares. 


Esse documento afirma a necessidade de "desenvolver e incorporar novos meios de contenção e de defesa dos objetivos, quando a contenção não funciona".

Entre outras medidas, o projeto revela a intenção de desenvolver ogivas nucleares de baixa potência para mísseis Trident, utilizados por submarinos da classe Ohio. Além disso, o departamento de Defesa dos EUA planeja desenvolver um míssil nuclear de baixa potência para suas bases marítimas.

O Pentágono considera o atual arsenal nuclear a disposi…

OTAN lança operação militar no mar Mediterrâneo

A OTAN iniciou a realização de uma "operação permanente de segurança" no mar Mediterrâneo – a Guardião do Mar (Sea Guardian), com o posto de comando na cidade britânica de Northwood, informou o serviço das relações públicas da Aliança.


Sputnik


Segundo os dados do serviço de relações públicas, inicialmente a operação prevê a participação de três navios das marinhas da OTAN – a fragata italiana ITS Aviere, a búlgara BGS Verni, a turca TCG Gemlik, bem como dois submarinos – o grego HS Papanikolis e o espanhol ESPS Mistral. 


Submarino (foto de arquivo)
© AP Photo/

Foi destacado que o apoio aéreo será fornecido a partir de 17 de novembro por aviões de patrulha marítima de Portugal, Espanha, Itália, Grécia e Turquia. 


Segundo o serviço de relações públicas da Aliança, a operação Guardião do Mar visa três objetivos principais: o controle sobre a situação no mar Mediterrâneo, a luta contra o terrorismo e o reforço do potencial naval. Segundo a decisão dos países membros da OTAN, a operação tem como objetivos assegurar a liberdade de navegação, intercepção e combate à proliferação de armas de destruição em massa, bem como a proteção da chamada "infraestrutura crítica". 

"A operação Guardião do Mar ajudará a obter uma visão precisa da situação quotidiana no mar Mediterrâneo para ajudar a identificar possíveis problemas de segurança", destacou o serviço de relações públicas da OTAN. 

Na cúpula da OTAN em Varsóvia, a Aliança anunciou a transformação da operação Active Endeavour em uma nova operação em resposta à alteração da situação de segurança no mar Mediterrâneo e que está orientada para um grande leque de ameaças marítimas.


Postar um comentário