Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: presidente ucraniano mata sua indústria ao introduzir novas sanções contra Rússia

O presidente da Ucrânia, Pyotr Poroshenko, assinou um decreto sobre as sanções contra a Rússia adotadas pelo Conselho de Defesa e Segurança Nacional da Ucrânia. O especialista Eduard Popov falou com a Sputnik e indicou qual o principal objetivo perseguido pelo governo ucraniano com tal iniciativa.
Sputnik

Em 2 de maio, o Conselho de Defesa e Segurança Nacional da Ucrânia ampliou as medidas restritivas em relação a diversas pessoas físicas e jurídicas russas, bem como prolongou a vigência das sanções introduzidas anteriormente.

Segundo informou a assessoria de imprensa da entidade, as sanções são aplicadas a pessoas "relacionadas com a agressão no ciberespaço e no campo informacional" contra a Ucrânia, "ações criminosas" contra os cidadãos ucranianos detidos na Rússia, bem como aos deputados da Duma de Estado e do Conselho da Federação da Rússia.

O diretor do Centro de Cooperação Pública e Informativa "Europa", Eduardo Popov, disse ao serviço russo da Rádio Sp…

Palestina promete tornar vida dos EUA 'miserável' se Trump mudar embaixada para Jerusalém

O enviado da Palestina para a ONU, Riyad Mansour, prometeu tornar a vida "miserável" para a Casa Branca se o presidente eleito Donald Trump transferir a embaixada dos EUA para Jerusalém, conforme as declarações do magnata republicano a respeito do apaziguamento das reivindicações de Israel na Cisjordânia.


Sputnik


Na sexta-feira (11), Mansour disse em Washington que a medida representaria um flagrante desafio aos direitos da Palestina sobre a Jerusalém ocupada. Os palestinos contra-atacariam, disse ele, segundo citação do jornal Haaretz. 


Bandeira da Palestina hasteada na ONU.
Bandeira palestina hasteada na ONU © REUTERS/ Andrew Kelly

Mansour, um diplomata educado nos EUA, enfatizou que a possível transferência da embaixada dos EUA para Jerusalém – que é parcialmente ocupada pelos israelenses – seria considerada um ato beligerante contra a Palestina. 


"Se fizerem isso, ninguém deve nos culpar por fazer uso de todas as armas que temos na ONU para nos defender, e nós temos muitas armas na ONU", disse ele. 

O enviado palestino afirmou ainda que "pode ​​tornar sua vida [dos Estados Unidos] miserável todos os dias com a precipitação de um veto sobre minha admissão [da Palestina] como um Estado membro", mas reconheceu que apelar ao Conselho de Segurança da ONU seria uma opção improvável devido ao direito de veto de Washington.

A disputa moderna sobre Jerusalém remonta ao plano de partição das Nações Unidas de 1947, que estipulava a criação de dois Estados independentes para palestinos e judeus. Jerusalém, uma cidade simbólica para cristãos, muçulmanos e judeus, deveria receber um status internacional especial. O plano foi por água abaixo depois que Israel ocupou Jerusalém Oriental durante a Guerra dos Seis Dias em 1967 e declarou toda a cidade como uma capital unificada em 1980.

As administrações anteriores da Casa Branca nunca favoreceram o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel, mas o resultado das últimas eleições norte-americanas estimulou as especulações de que as coisas podem mudar dramaticamente a partir do ano que vem. 


No meio de sua campanha eleitoral em setembro, Trump disse que Jerusalém tem sido "a eterna capital do povo judeu por mais de 3.000 anos", prometendo aceitá-la "como a capital indivisa do Estado de Israel" se fosse eleito. 

Neste domingo, porém, Trump disse ao New York Times que está determinado a chegar a um "acordo final" no conflito entre israelenses e palestinos "pelo bem da humanidade". No entanto, sua equipe deixou claro que a oposição aos assentamentos israelenses na Cisjordânia ocupada não será mais uma prioridade da Casa Branca.

Logo após o discurso de vitória do candidato republicano, David Friedman, seu assessor de assuntos relacionados a Israel, disse ao Jerusalem Post que "há toda a intenção" de manter a promessa da campanha e transferir a embaixada dos EUA para a cidade.

Jason Greenblatt, diretor jurídico de Trump e alto executivo das Organizações Trump, também disse à Rádio do Exército de Israel que, nos próximos anos, "haveria uma ruptura radical em relação à posição norte-americana de longa data de que as construções israelenses nas áreas capturadas na Guerra dos Seis Dias de 1967 tornavam mais difícil chegar a um acordo de paz com os palestinos".


Postar um comentário