Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Argentina concorda em construir bases norte-americanas em seu território

O presidente da Argentina, Mauricio Macri, aprovou a construção no país de várias bases militares dos EUA, informou no sábado (21) o portal mexicano Aristegui Noticias com referência a fontes informadas.
Sputnik

De acordo com o portal, trata-se de ao mínimo três bases militares a serem construídas nas províncias de Neuquén (onde fica a jazida de gás de xisto Vaca Muerta), Misiones e Tierra del Fuego, de onde se pode controlar a Antártida.

A sua criação deve ser financiada pelo Comando Sul dos EUA. Um dos principais adeptos da criação de bases seria a ministra da Segurança da Argentina, Patricia Bullrich.

Além disso, nota o portal mexicano, a ministra elogiou a chegada ao país de instrutores americanos que efetuam a preparação dos policiais argentinos antes da cúpula do G20 em novembro. Isso viola as atuais leis argentinas, porque é necessário obter a autorização do Congresso para tais ações, algo que não foi feito.

Presidente da Ucrânia está convencido que Kiev retomará Crimeia e Donbass

Presidente ucraniano Pyotr Poroshenko acha que Kiev conseguirá retomar a Crimeia e Donbass.


Sputnik


"Permitam que eu não concorde com a frase de que nós perdemos os territórios, não os perdemos, o seu estatuto é — temporariamente ocupados. De certeza que vamos recuperá-los para a soberania ucraniana, sob a bandeira ucraniana… Nós vamos vencer esta guerra", anunciou Poroshenko na quinta-feira (27) durante um encontro com estudantes. 


Presidente ucraniano Pyotr Poroshenko examina a construção de fortificações na região de Donetsk
Presidente ucraniano Piotr Poroshenko © AP Photo/ Irina Gorbaseva

O presidente declarou que não há nenhum conflito interno na Ucrânia e acusou a Rússia de "agressão". 


A Crimeia se tornou novamente uma região russa após o referendo realizado na sequência da tensão política na Ucrânia em 2014. Mais de 95% dos moradores da península votaram a favor da reunificação com a Rússia. Por sua parte, Moscou garante que não tem qualquer envolvimento na crise interna ucraniana e que está totalmente interessado numa resolução pacífica do conflito no país vizinho.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas