Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Erdogan diz que Turquia continuará operação na Síria, pactuada com Moscou

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, afirmou nesta segunda-feira que seu país não interromperá sua operação militar lançada no sábado contra as milícias curdas aliadas dos Estados Unidos no norte da Síria e insistiu que esta operação está pactuada com a Rússia.
EFE

"Não vamos retroceder em Afrin. Falamos com os russos e há consenso", disse o político islamita em relação à região do norte da Síria nas mãos das milícias curdas Unidades de Proteção do Povo (YPG), que Ancara considera terroristas e aliadas da guerrilha curda da Turquia, o PKK.


Erdogan voltou a acusar os EUA de armar e apoiar as YPG, aliadas de Washington contra o grupo jihadista Estado Islâmico.

"Não são honestos conosco. Continuaremos o nosso caminho no marco das conversações que mantemos com a Rússia", apontou.

"Queríamos comprar armas (com os EUA). Não nos deram e entregaram as mesmas armas a organizações terroristas. Que tipo de aliança estratégica é essa?", afirmou o presidente da T…

Rebeldes sírios usam gases tóxicos em novo ataque químico em Aleppo

Militantes lançaram um ataque com gases tóxicos perto do aeroporto internacional da Síria em Aleppo, segundo informa a Al Mayadeen neste domingo (13). 


Sputnik

De acordo com o canal de TV libanês, os rebeldes usaram bombas com gás venenoso durante um ataque de artilharia. Pelo menos 28 militares sírios teriam sido feridos.


Voluntários em simulação sobre como reagir a ataque químico em Aleppo (arquivo)
© AFP 2016/ JM LOPEZ


O ataque deste domingo é o terceiro com uso de armas químicas por parte de militantes nas últimas duas semanas. Na sexta-feira (11), o Ministério da Defesa russo disse que especialistas militares russos haviam encontrado provas de que grupos rebeldes em Aleppo tinham usado armas químicas, provavelmente cloro e fósforo branco.

O ministério acrescentou que enviaria amostras de solo e fragmentos de munições de artilharia encontrados em Aleppo para a Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ). 


No final de outubro, um ataque químico em Aleppo matou dois militares sírios e feriu dezenas de civis. 

Apesar dos numerosos relatos sobre o uso de armas químicas pelos militantes armados sírios, o Painel de Peritos do Mecanismo Conjunto de Investigação da OPAQ-ONU publicou recentemente um quarto relatório acusando o governo do presidente sírio, Bashar Assad de ter usado armas químicas no país entre 2014 e 2015. No sábado (12), o Ministério das Relações Exteriores da Rússia também lamentou a decisão da OPAQ.

Postar um comentário