Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Pyongyang: 3 porta-aviões perto da Coreia do Norte são uma ameaça de guerra nuclear

A ONU "fecha os olhos aos exercícios de guerra nuclear dos EUA, que estão empenhados em causar um desastre catastrófico para a humanidade", declarou o embaixador norte-coreano na ONU, Ja Song-nam.
Sputnik

As autoridades norte-coreanas classificaram na segunda (13) o deslocamento sem precedentes de 3 grupos de porta-aviões dos EUA para a zona da península da Coreia como uma "postura de ataque".


O representante norte-coreano permanente na ONU, Ja Song-nam, expressou em uma carta enviada ao secretário-geral da ONU o descontentamento do seu governo com os exercícios militares de Seul, Tóquio e Washington. Estes, segundo o diplomata, estão criando "a pior situação para a península da Coreia e seus arredores".

"Os EUA são os principais responsáveis por escalar as tensões e comprometer a paz", declarou Ja Song-nam.

Além da presença de 3 porta-aviões estadunidenses (Nimitz, Ronald Reagan e Theodore Roosevelt), Washington continua realizando voos de bombarde…

Revista americana avalia as chances do sistema russo S-500 contra mísseis e aviões dos EUA

Moscou está apostando nos novos mísseis interceptores S-500 para criar o escudo de defesa antiaérea da Rússia, diz o analista militar Sebastien Roblin, em artigo publicado pela revista The National Interest.


Sputnik


De acordo com o autor, a exemplo do sistema antimísseis americano THAAD, o S-500 usará o recurso da chamada interceptação cinética, que utiliza a energia cinética do projétil para acertar seus alvos. Além disso, segundo o especialista, com uma velocidade de voo de até 7 km por segundo, os mísseis desse novo sistema russo serão capazes de interceptar com facilidade quaisquer mísseis de cruzeiro de potenciais inimigos.


S-500 Vitiaz

O artigo destaca ainda, que, apesar das suposições de que os mísseis S-500 sejam muito eficientes contra aeronaves “invisíveis”, suas especificações, divulgadas até momento, indicam que o combate contra este tipo de aviação não está entre os principais objetivos destes sistemas.


“O grande alcance do S-500 faz dele uma arma ideal contra alvos maiores e dificilmente detectáveis. Identificar e atingir um bombardeiro a grande distância será uma tarefa difícil, no entanto, aviões com sistemas AWACS (Sistema Aéreo de Alerta e Controle) ou de guerra eletrônica correrão um risco muito maior e, provavelmente, serão forçados a operar fora do raio de alcance do S-500” – escreve o especialista.

Na sua opinião, o S-500 está sendo desenvolvido, antes de tudo, como um sistema de defesa antimísseis de longo alcance, podendo, inclusive ser usado como uma arma contra satélites.


Postar um comentário