Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Erdogan diz que Turquia continuará operação na Síria, pactuada com Moscou

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, afirmou nesta segunda-feira que seu país não interromperá sua operação militar lançada no sábado contra as milícias curdas aliadas dos Estados Unidos no norte da Síria e insistiu que esta operação está pactuada com a Rússia.
EFE

"Não vamos retroceder em Afrin. Falamos com os russos e há consenso", disse o político islamita em relação à região do norte da Síria nas mãos das milícias curdas Unidades de Proteção do Povo (YPG), que Ancara considera terroristas e aliadas da guerrilha curda da Turquia, o PKK.


Erdogan voltou a acusar os EUA de armar e apoiar as YPG, aliadas de Washington contra o grupo jihadista Estado Islâmico.

"Não são honestos conosco. Continuaremos o nosso caminho no marco das conversações que mantemos com a Rússia", apontou.

"Queríamos comprar armas (com os EUA). Não nos deram e entregaram as mesmas armas a organizações terroristas. Que tipo de aliança estratégica é essa?", afirmou o presidente da T…

Revista americana avalia as chances do sistema russo S-500 contra mísseis e aviões dos EUA

Moscou está apostando nos novos mísseis interceptores S-500 para criar o escudo de defesa antiaérea da Rússia, diz o analista militar Sebastien Roblin, em artigo publicado pela revista The National Interest.


Sputnik


De acordo com o autor, a exemplo do sistema antimísseis americano THAAD, o S-500 usará o recurso da chamada interceptação cinética, que utiliza a energia cinética do projétil para acertar seus alvos. Além disso, segundo o especialista, com uma velocidade de voo de até 7 km por segundo, os mísseis desse novo sistema russo serão capazes de interceptar com facilidade quaisquer mísseis de cruzeiro de potenciais inimigos.


S-500 Vitiaz

O artigo destaca ainda, que, apesar das suposições de que os mísseis S-500 sejam muito eficientes contra aeronaves “invisíveis”, suas especificações, divulgadas até momento, indicam que o combate contra este tipo de aviação não está entre os principais objetivos destes sistemas.


“O grande alcance do S-500 faz dele uma arma ideal contra alvos maiores e dificilmente detectáveis. Identificar e atingir um bombardeiro a grande distância será uma tarefa difícil, no entanto, aviões com sistemas AWACS (Sistema Aéreo de Alerta e Controle) ou de guerra eletrônica correrão um risco muito maior e, provavelmente, serão forçados a operar fora do raio de alcance do S-500” – escreve o especialista.

Na sua opinião, o S-500 está sendo desenvolvido, antes de tudo, como um sistema de defesa antimísseis de longo alcance, podendo, inclusive ser usado como uma arma contra satélites.


Postar um comentário