Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

China: 'Relatório do Pentágono distorce nossas intenções estratégicas'

A China rejeita firmemente as conclusões do relatório do Departamento de Defesa dos EUA sobre a situação militar e de segurança no país asiático, disse em comunicado o porta-voz do Ministério da Defesa chinês, Lu Kang.
Sputnik

"Em 17 de agosto, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos divulgou o relatório sobre a situação militar e de segurança na China, interpretando mal as intenções estratégicas da China e apresentando a chamada ‘ameaça militar chinesa' […] Os militares chineses expressam sua firme oposição a esse respeito", diz a declaração.

"As alegações do relatório dos EUA são pura especulação", disse Kang, explicando que o programa de modernização do Exército chinês se destina a defender "os interesses da soberania, segurança e desenvolvimento do país" e para "providenciar a paz, estabilidade e prosperidade globais".

O porta-voz do ministério chinês também reiterou a posição firme de seu país em relação a Taiwan, que ele definiu como u…

Rússia quer estender a pausa nas operações aéreas em Aleppo

Nem a Rússia, nem a Força Aérea da Síria atacaram o leste de Aleppo desde 18 de Outubro, anunciou na quinta-feira a representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova. 


Sputnik

"A mídia ocidental silencia, a fim de evitar vítimas desnecessárias, que nem a Rússia, nem a Força Aérea da Síria desde 18 de Outubro realizaram ataques no leste de Aleppo, onde estão bloqueados milhares de militantes", disse ela. 


Situação em Aleppo
Combatentes em Aleppo © Sputnik/ Mikhail Alaeddin


O enviado especial da ONU sobre a Síria, Jan Egeland, acredita que a Rússia pretende continuar a pausa nas operações aéreas em Aleppo. 

Nos últimos meses, a situação em Aleppo se deteriorou drasticamente. A cidade e suas periferias vêm sofrendo combates pesados. O Ministério da Defesa da Federação Russa, em 18 de outubro, suspendeu voos sobre o território da cidade síria de Aleppo. Há mais de três semanas, não foram registrados ataques aéreos na região. O porta-voz do presidente da Rússia, Dmitry Peskov, em 7 de Novembro, disse que o Presidente considera adequado manter tal regime. 

"Eu tenho a nítida impressão de que eles (a Rússia — ed.) vão continuar a pausa nas operações aéreas", disse Egeland durante reunião. 

O conflito armado continua na Síria desde março de 2011. As tropas do governo seguem combatendo militantes de diferentes grupos armados.

Os dados sobre o número de vítimas do conflito são diferentes. Segundo a ONU, o número de mortes está entre 300 e 400 mil. O Instituto Russo de Estudos Orientais, através de dados da Instituição Síria de Estatística, conduziu sua própria investigação, que teve como resultado a cifra de 105 mil mortes.

Assim, de acordo com a pesquisa, as perdas do exército do governo sírio e das milícias foram estimadas em 45 mil pessoas, os militantes de organizações terroristas da comunidade local — 24 mil pessoas, a população civil — 36 mil. Além disso, uma grande parte da população civil morreu pelas mãos dos jihadistas e dos chamados oposição moderada. Foram mortos cerca de 18 mil mercenários estrangeiros de grupos terroristas na Síria, representantes de mais de 80 países. 


A Rússia, desde 30 de setembro de 2015, através de pedido do presidente sírio, Bashar Assad, realiza apoio militar na região, executando ataques aéreos contra posições terroristas na Síria.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas