Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Pyongyang: 3 porta-aviões perto da Coreia do Norte são uma ameaça de guerra nuclear

A ONU "fecha os olhos aos exercícios de guerra nuclear dos EUA, que estão empenhados em causar um desastre catastrófico para a humanidade", declarou o embaixador norte-coreano na ONU, Ja Song-nam.
Sputnik

As autoridades norte-coreanas classificaram na segunda (13) o deslocamento sem precedentes de 3 grupos de porta-aviões dos EUA para a zona da península da Coreia como uma "postura de ataque".


O representante norte-coreano permanente na ONU, Ja Song-nam, expressou em uma carta enviada ao secretário-geral da ONU o descontentamento do seu governo com os exercícios militares de Seul, Tóquio e Washington. Estes, segundo o diplomata, estão criando "a pior situação para a península da Coreia e seus arredores".

"Os EUA são os principais responsáveis por escalar as tensões e comprometer a paz", declarou Ja Song-nam.

Além da presença de 3 porta-aviões estadunidenses (Nimitz, Ronald Reagan e Theodore Roosevelt), Washington continua realizando voos de bombarde…

A China apresenta as suas armas

O único porta-aviões chinês navega para o Pacífico em sua primeira viagem no oceano, informou neste domingo a imprensa oficial chinesa, num momento de grande tensão com Taiwan agravada por comentários do futuro presidente americano Donald Trump.


RFI

Esta saída fora dos limites das águas do Mar da China é a primeira do porta-aviões construído na União Soviética e comprado pela China, indicou em seu site o Global Times. O navio entrou em serviço em setembro de 2012. 


media
Liaoning: o primeiro e único porta-aviões chinês, com pilotos inexperientes. | CHINA OUT AFP PHOTO

"Uma frota da Marinha chinesa, incluindo o porta-aviões Liaoning, dirigiu-se para o Pacífico no sábado para exercícios", anunciou a agência de notícias Xinhua.

Não há informações sobre a duração dos exercícios no Pacífico nem da rota escolhida pela frota. O Liaoning, que fica estacionado em Dalian, no nordeste da China, deve logicamente entrar no Pacífico atravessando a cadeia de ilhas que separa Taiwan do sul do Japão.

O ministério da Defesa japonês declarou neste domingo que observou um dia antes um grupo aeronaval, composto de sete aparelhos além do porta-aviões: três destroyers, três fragatas e um navio de abastecimento.

Exercícios com disparos reais

Segundo a Xinhua, o porta-aviões realizou na última semana exercícios no Mar Amarelo, entre as costas coreanas e chinesas. O Liaoning foi acompanhado por "vários destroiers e fragatas".

Sexta-feira, caças J-15 "decolaram do Liaoning, realizando exercícios, tais como reabastecimento e confronto", disse a fonte.

A marinha chinesa também havia anunciado em 15 de dezembro que o porta-aviões havia realizado seu primeiro exercício com disparos reais, incluindo uma dúzia de mísseis, no Mar de Bohai, dentro da costa chinesa.

Trump desafia a China

Estes exercícios acontecem em um momento de tensão entre Pequim e Taiwan, na sequência de uma conversa telefônica entre Donald Trump e a presidente de Taiwan.

O regime comunista proíbe todo contato oficial entre países estrangeiros e Taiwan, que considera uma de suas províncias. Pequim não descarta o uso da força para restaurar sua soberania sobre a ilha.

A televisão estatal CCTV transmitiu em meados de dezembro imagens de caças decolando do porta-aviões, alvos explodindo em chamas e uma chuva de mísseis disparados para o ar.

Pilotos chineses inexperientes

Mas a real força do Liaoning permanece desconhecida. Os pilotos de aviões de caça ainda estão aprendendo a pousar, uma técnica difícil que as marinhas ocidentais relutam em ensinar para a China.

O Exército chinês procura se modernizar, especialmente para fazer frente aos Estados Unidos no Mar da China Meridional, uma zona reivindicada por Pequim.

Os Estados Unidos enviaram em várias ocasiões seus navios de cruzeiro nesta região, onde a China expande ilhas que ela controla para apoiar suas reivindicações.

A Marinha chinesa apreendeu em 15 de dezembro no Mar da China Meridional um drone submarino americano antes de devolvê-lo cinco dias depois. Pequim está construindo sua segundo porta-aviões, totalmente projeto no país, segundo anunciou em dezembro de 2015 o ministério da Defesa.



Postar um comentário