Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Aliados desunidos: os EUA anunciam que não apoiam operação turca em Al-Bab

O coronel da Força Aérea dos Estados Unidos John Dorrian, porta-voz da coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos que combate o grupo terrorista Daesh na Síria e no Iraque, disse que a coalizão ocidental não apoia a operação da Turquia para libertar a cidade síria de Al-Bab.


Sputnik


Ao mesmo tempo, o comando militar da Turquia tomou a decisão de enviar para a Síria tropas adicionais, compostas por 300 combatentes de unidades especiais para participar da operação Escudo do Eufrates. Isso demonstra a existência de divergências sérias entre Ancara e Washington quanto à atual situação na Síria. A Turquia não mais confia nos parceiros ocidentais e prefere agir em colaboração e coordenação com as forças governamentais russas e sírias. Erdogan Karakus, ex-comandante da base aérea turca e da Agência Nacional turca de Aviação, fala sobre estas divergências em uma entrevista à Sputnik Turquia. 


Soldados turcos estão em cima de tanque do exército turco de volta para a Turquia da cidade fronteiriça sírio-turca de Jarabulus em setembro na cidade fronteiriça turco-síria de Karkamis
Tropas turcas na fronteira com a Síria © AFP 2016/ BULENT KILIC

"Desde o início, os EUA foram contra as nossas operações na Síria. O objetivo dos EUA é claro — estender o corredor curdo ao longo das fronteiras turcas até a província de Hatay, o que lhes permitirá exercer uma pressão constante sobre a Turquia. É óbvio que a operação das unidades turcas para a libertação da cidade de Al-Bab não se encaixa nos planos de Washington. Por isso, as declarações categóricas dos americanos contra esta operação americana são um fenômeno natural." 


Karakus adicionou que a Turquia, em termos de seus interesses nacionais, deve coordenar as suas ações na Síria com a Rússia e as forças governamentais sírias. A Turquia não precisa dos territórios sírios. Mas na Turquia agora estão 3 milhões de cidadãos sírios. Ancara gostaria de definir na Síria as condições para a sua acomodação neste país.

Erdogan Karakus afirmou que é do interesse da Turquia trabalhar em conjunto com a Rússia e o governo sírio. É claro que a Turquia não pode permitir a ocupação de Raqqa e seus arredores pelos americanos e as forças curdas de autodefesa.

"Na minha opinião, a Turquia está bem ciente da situação na república árabe e conhece as intenções dos países ocidentais. Agora, aparentemente, Ancara fará tudo para reduzir a influência da coalizão ocidental na Síria e no Iraque. E isso só é possível em condições de estreita cooperação e coordenação das suas ações com Moscou e Damasco. É por isso que trabalhar com eles é tão importante para Ancara."


Postar um comentário