Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Chanceler russo responde às acusações croatas sobre um possível conflito nos Bálcãs

É estranho ouvir declarações de autoridades croatas sobre uma possível ameaça russa, mas Moscou está pronta para discutir os argumentos de Zagreb, disse o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov.


Sputnik


Mais cedo, a mídia divulgou declarações da presidente da Croácia, Kolinda Grabar-Kitarovic, sobre um futuro possível conflito armado nos Bálcãs porque a Rússia está influenciando os desenvolvimentos na região de forma mais ativa. 


Ministro das Relações Exteriores russo Sergei Lavrov durante o encontro com o presidente do Comitê Internacional da Cruz Vermelha, Peter Maurer, Moscou, Rússia, novembro de 2016
Sergei Lavrov © Sputnik/ Mikhail Voskresensky

"<…> Conheço a presidente da Croácia. Acho que temos boas relações desde que ela era ministra das Relações Exteriores e é estranho ouvir a líder de um país que a Rússia considera como amigo, bem como de outros países balcânicos e no continente europeu, dizer tais palavras. Se a presidente possui fatos concretos que provam tais declarações, estamos prontos a discutir estes fatos'', destacou Lavrov em entrevista à Sputnik Sérvia.



Postar um comentário