Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Troféus de guerra: tecnologias militares desviadas nos últimos 20 anos

A espionagem na indústria militar é uma das formas mais eficazes de obter a tecnologia que não se possui. Na guerra invisível conduzida pelos serviços secretos todos os meios são usados.
Sputnik

A Sputnik conta sobre as tecnologias das quais, em vários momentos, os governos conseguiram se apropriar. 

Drone desaparecido

Em 4 de dezembro de 2011, o mais novo drone stealth norte-americano RQ-170 Sentinel desapareceu no oeste do Afeganistão. Segundo o Pentágono, alguém "cortou" o canal de comunicação entre o drone e o operador. Cinco dias depois, um veículo aéreo não tripulado com características de design semelhantes foi apresentado na televisão iraniana. Ainda não se sabe exatamente como o controle do drone foi interceptado. Especialistas acreditam que isso não poderia ter acontecido sem um moderno sistema de guerra eletrônica entregue ao Irã pela Rússia ou China. Não há informações oficiais sobre esse assunto.

O ex-presidente dos EUA, Barack Obama, apelou às autoridades da Repúbl…

Conselho de Segurança da ONU deve votar hoje cessar-fogo na Síria

Rússia apresentou projeto para endossar a trégua, negociada por Moscou com a Turquia e o Irã e sem a participação dos EUA.


Associated Press

O Conselho de Segurança da ONU deve votar neste sábado (31) um projeto de resolução apresentado ontem pela Rússia para endossar o cessar-fogo na Síria. A trégua de alguns rebeles sírios com o governo do ditador Bashar al-Assad foi negociada pela Rússia com ajuda da Turquia e do Irã e sem a participação dos Estados Unidos.

Resultado de imagem para conselho de segurança da onu
Conselho de Segurança da ONU

Moscou elaborou um breve projeto de resolução para apoiar o cessar-fogo antes das futuras negociações do conflito, previstas para o final de janeiro em Astana, capital do Cazaquistão, segundo o embaixador russo na ONU, Vitaly Churkin.

O acordo fala em estabelecer negociações para conseguir uma solução política que ponha fim à guerra civil na Síria, que já deixou mais de 310 mil mortos desde 2011, obrigou milhões de pessoas a fugirem de seus lares e desencadeou uma crise de refugiados em toda a Europa.

O cessar-fogo entrou em vigor à 0h de sexta-feira (horário da Síria, 20h em Brasília) e tem sido respeitado na maior parte do país, apesar de relatos de alguns confrontos esporádicos próximo a Damasco. O pacto não inclui todos os rebeldes sírios. A antiga frente al-Nusra (Frente da Conquista do Levante) e as milícias curdas ficaram de fora, assim como o grupo terrorista Estado Islâmico.

A resolução patrocinada pela Rússia também apela a um acesso "rápido, seguro e sem impedimentos" ao fornecimento de ajuda humanitária em todo o país.

Negociações

Rússia e Turquia estão em lados opostos do conflito sírio: Moscou, juntamente com o Irã, fornece apoio militar crucial a Assad, enquanto a Turquia tem servido há muito tempo como base e fonte de suprimentos para os rebeldes.

Os EUA ficaram de fora devido à deterioração das relações entre Moscou e o governo de Barack Obama após o fracasso nas negociações para deter os combates em Aleppo, segunda maior cidade da Síria e até recentemente controlada por rebeldes, e em outros lugares do país.

As divisões no Conselho de Segurança entre a Rússia e as potências ocidentais que têm poder de veto -- Grã-Bretanha, França e EUA, que apoiam a oposição moderada e exigem que Assad renuncie -- bloquearam ações para pôe fim à guerra civil, que já está em seu sexto ano.

O projeto de resolução reitera que "a única solução sustentável para a atual crise na República Árabe Síria é através de um processo político inclusivo e liderado pela Síria", baseado em um comunicado que já foi aprovado pelo Conselho de Segurança em junho de 2012 e apela à formação de um governo de transição e à realização de eleições.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas