Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Damasco condiciona saída dos rebeldes de Aleppo

O governo sírio exigiu a evacuação de mais de mil moradores das povoações xiitas sitiadas de Fuah e Kafarya, província Idlib, em troca da evacuação dos rebeldes que ainda permanecem em Aleppo.


Sputnik


No início do dia, a agência SANA transmitiu que os ônibus começaram chegando aos bairros orientais de Aleppo em preparação para a remoção dos militantes que ainda se encontram na cidade. 

Os evacuados do leste de Aleppo desembarcam dos ônibus após sua chegada à cidade de al-Rashideen, que é mantida pelos insurgentes, na Síria, em 15 de dezembro de 2016.
Evacuação de Aleppo © REUTERS/ Ammar Abdullah

O acordo proposto por Damasco pressupõe deixar que 1.200 moradores das duas povoações da província de Idlib deixem as áreas sitiadas pelos terroristas da Frente al-Nusra em troca da evacuação de um número idêntico de militantes e suas famílias de Aleppo, informou a televisão estatal síria no domingo (18). 

Os militantes não poderão sair de Aleppo até que a evacuação de Fuah e Kafarya esteja completa, disse o governo. 

Fuah e Kafarya são o único enclave mantido pelo governo na vasta área dos militantes em Idlib. As povoações, com cerca de 20.000 pessoas, estão sob cerco desde 2013. A situação humanitária continua terrível, com falta de alimentos e de bens de primeira necessidade.


Postar um comentário