Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Pyongyang: 3 porta-aviões perto da Coreia do Norte são uma ameaça de guerra nuclear

A ONU "fecha os olhos aos exercícios de guerra nuclear dos EUA, que estão empenhados em causar um desastre catastrófico para a humanidade", declarou o embaixador norte-coreano na ONU, Ja Song-nam.
Sputnik

As autoridades norte-coreanas classificaram na segunda (13) o deslocamento sem precedentes de 3 grupos de porta-aviões dos EUA para a zona da península da Coreia como uma "postura de ataque".


O representante norte-coreano permanente na ONU, Ja Song-nam, expressou em uma carta enviada ao secretário-geral da ONU o descontentamento do seu governo com os exercícios militares de Seul, Tóquio e Washington. Estes, segundo o diplomata, estão criando "a pior situação para a península da Coreia e seus arredores".

"Os EUA são os principais responsáveis por escalar as tensões e comprometer a paz", declarou Ja Song-nam.

Além da presença de 3 porta-aviões estadunidenses (Nimitz, Ronald Reagan e Theodore Roosevelt), Washington continua realizando voos de bombarde…

De que forma Daesh conseguiu se aproximar de Palmira?

O Daesh, organização terrorista proibida na Rússia, conseguiu se aproximar de Palmira porque usou a chamada "tecnologia nebulosa" de deslocação furtiva, pensa o analista militar e docente da cátedra de Ciência Política e Sociológica na Universidade de Economia Plekhanov russa, Aleksandr Perendzhiev. 


Sputnik

Antes, uma fonte bem informada sobre a situação no local, informou à RIA Novosti, que os civis foram evacuados de Palmira, o exército governamental está envolvido em cobates ferozes nos arredores contra os combatentes do Daesh que entraram de novo na cidade. O Centro para a Reconciliação na Síria russo afirmou que mais de 4.000 militantes do Daesh se reagruparam e tentaram recuperar Palmira. 


Captura de imagem de um vídeo publicado pela agência de notícias aliada do Daesh em Palmira em 11 de dezembro de 2016
Captura de imagem de um vídeo do Daesh em Palmira, Síria © REUTERS/


"Na Síria os terroristas usam uma tática aprimorada de deslocação em grupos pequenos, a chamada 'tecnologia nebulosa'. Eles se fingem de beduínos, civis ou até de soldados do exército sírio, vindo de deferentes direções e se concentram num lugar imperceptível. Isso resulta na concentração de uma força enorme num só ponto", afirmou Perendzhiev à RIA Novosti na segunda-feira (12).

Ele acrescentou que na sequência de uso da deslocação dissimulada para perto de Palmira, os terroristas ganharam vantagem do efeito de surpresa, porque o exército sírio não tinha nem forças, nem tempo, para defender a cidade, sob a pressão dos militantes o exército teve que se proteger a si próprio.

"Os terroristas capturaram assim mais do que uma cidade, mas nós ainda não podemos nos opor a isso, a academia de Estado-Maior não elaborou os sistemas definidos e eficazes contra essa táctica, por isso é necessário realizar um enorme trabalho analítico", indicou. 


Segundo disse ele, as tropas sírias, apesar da falta de informação sobre a deslocação dos terroristas, devem estar prontas para uma contraofensiva exatamente na região de Palmira, porque é perto essa cidade, a caminho de Raqqa, que se localizam as torres petrolíferas que os terroristas tencionam defender a qualquer preço. 

"O passo seguinte, depois da conquista de Aleppo, deverá ser a conquista destas jazidas, de onde o petróleo vai para os países árabes — Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos (EAU). Os protetores dos terroristas não tencionam os ceder, por isso foram destacados recursos e o ataque contra Palmira começou. No entanto, os militantes foram apoiados com assistência militar", apontou o interlocutor da agência.

Segundo dados do Centro para a Reconciliação na Síria russo, os militantes deslocaram para Palmira forças significativas a partir da região de Raqqa, onde na semana passada os grupos controlados pelos EUA e pela coalisão internacional pararam as operações militares ativas contra os terroristas. Além disso, o Daesh deslocou reservas grandes e equipamento blindado da região de Deir ez-Zor para Palmira.

De acordo com o centro, antes a inteligência revelou o deslocamento de cerca de 5.000 militantes de Mossul iraquiano para Raqqa e Deir ez-Zor.



Postar um comentário