Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Força Aérea israelense anuncia estreia global do caça F-35 em combate

Israel foi o primeiro país ao qual os Estados Unidos autorizaram a venda do caça invisível
Juan Carlos Sanz | El País
Jerusalém - A Força Aérea de Israel revelou nesta terça-feira que foi a primeira a utilizar em combate o F-35, o ultramoderno caça furtivo indetectável para os radares inimigos. O chefe da aeronáutica israelense, general Amikam Nirkin, fez o comunicado aos comandantes das forças aéreas de vários países reunidos ao norte de Tel Aviv.

O general Nirkin mostrou a seus colegas – procedentes dos EUA, Itália, França, Índia e Brasil, entre outros países – a imagem de vários F-35 sobre Beirute, enquanto confirmava que esses aviões tinham participado de ataques em duas frentes.

“O esquadrão do F-35 está em operação e já sobrevoa todo o Oriente Médio”, afirmou o chefe da força aérea.

Nirkin reiterou que, há duas semanas, a Guarda Revolucionária iraniana disparou 32 foguetes contra as Colinas de Golã, planalto sírio ocupado por Israel desde 1967 e que, em resposta à agressão, a aviação…

Embaixador saudita nos EUA diz que bombardear o Iêmen é como 'bater na esposa' (vídeo)

Ativistas gravaram as declarações do diplomata, que havia sido questionado sobre o uso de bombas de fragmentação por parte da coalizão liderada pela Arábia Saudita contra os rebeldes iemenitas. 


Sputnik

O embaixador saudita nos Estados Unidos, príncipe Abdullah Al-Saud, provocou polêmica esta semana quando, questionado por ativistas sobre se seu país continuaria a usar bombas de fragmentação no Iêmen, comparou de forma jocosa a pergunta com o tratamento que, de acordo com ele, deve ser dado a a uma esposa, segundo relata o jornal The Intercept. 


Embaixador saudita nos Estados Unidos, príncipe Abdullah Al-Saud
Príncipe Embaixador saudita Abdullah Al-Saud | YouTube/Zaid Jilani


"É como se você me perguntasse: 'pararia de bater em sua mulher?'", respondeu o diplomata, rindo em coro com a comitiva que o acompanhava. 

Os comentários do embaixador saudita foram registrados no final de outubro em Washington, durante sua participação na Conferência Anual de Legisladores árabes-americanos, onde Al-Saud defendeu a atuação da coalizão saudita no Iêmen.

Desde 2014 o Iêmen está imerso em um conflito armado entre os rebeldes xiitas houthis e as forças leais ao presidente Abd Rabbuh Mansur Hadi, que fugiu para a Arábia Saudita após a tomada da capital, Sanaa, pelas forças rebeldes. A coalizão de países árabes liderados por Riad lançou uma intervenção militar no país vizinho em março de 2015 com ataques aéreos contra os houthis. 


A Arábia Saudita aceita que os maridos chicoteiem suas mulheres, e ainda hoje é um dos países mais repressivos do mundo em relação aos direitos femininos.

Postar um comentário