Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Embaixador saudita nos EUA diz que bombardear o Iêmen é como 'bater na esposa' (vídeo)

Ativistas gravaram as declarações do diplomata, que havia sido questionado sobre o uso de bombas de fragmentação por parte da coalizão liderada pela Arábia Saudita contra os rebeldes iemenitas. 


Sputnik

O embaixador saudita nos Estados Unidos, príncipe Abdullah Al-Saud, provocou polêmica esta semana quando, questionado por ativistas sobre se seu país continuaria a usar bombas de fragmentação no Iêmen, comparou de forma jocosa a pergunta com o tratamento que, de acordo com ele, deve ser dado a a uma esposa, segundo relata o jornal The Intercept. 


Embaixador saudita nos Estados Unidos, príncipe Abdullah Al-Saud
Príncipe Embaixador saudita Abdullah Al-Saud | YouTube/Zaid Jilani


"É como se você me perguntasse: 'pararia de bater em sua mulher?'", respondeu o diplomata, rindo em coro com a comitiva que o acompanhava. 

Os comentários do embaixador saudita foram registrados no final de outubro em Washington, durante sua participação na Conferência Anual de Legisladores árabes-americanos, onde Al-Saud defendeu a atuação da coalizão saudita no Iêmen.

Desde 2014 o Iêmen está imerso em um conflito armado entre os rebeldes xiitas houthis e as forças leais ao presidente Abd Rabbuh Mansur Hadi, que fugiu para a Arábia Saudita após a tomada da capital, Sanaa, pelas forças rebeldes. A coalizão de países árabes liderados por Riad lançou uma intervenção militar no país vizinho em março de 2015 com ataques aéreos contra os houthis. 


A Arábia Saudita aceita que os maridos chicoteiem suas mulheres, e ainda hoje é um dos países mais repressivos do mundo em relação aos direitos femininos.

Postar um comentário