Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA confirmam linha estratégica de 'desmembramento da Síria', diz analista

Os EUA declararam que não querem restaurar as regiões na Síria que estão sob o controle de Damasco. O especialista Vladimir Fitin explica na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik o que busca Washington.
Sputnik

Os EUA não querem ajudar na reconstrução das regiões na Síria que ficam sob o controle do presidente sírio Bashar Assad, declarou um alto funcionário dos EUA após o primeiro dia do encontro dos ministros das Relações Exteriores do G7.


Em janeiro, o Departamento de Estado dos EUA afirmou que Washington não iria ajudar a Rússia, o Irã e Damasco oficial na restauração do país, enquanto a "transformação política" da Síria não se realizasse. Segundo declarou o assistente adjunto do secretário de Estado dos EUA para o Médio Oriente, David Satterfield, a condição da ajuda é a reforma constitucional e eleições sob os auspícios da ONU.

O analista do Instituto dos Estudos Estratégicos da Rússia, Vladimir Fitin, na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik comentou a decla…

Engenheiros revelam como será novo destróier nuclear russo

Engenheiros russos concluíram a primeira etapa na criação do novo destróier furtivo da classe Líder, relatou o Rossiyskaya Gazeta. 

Sputnik

O membro da Comissão Militar Industrial da Rússia, Vladimir Pospelov, disse ao jornal Rossiyskaya Gazeta que "a imagem do navio já está definida". Ele acrescentou que um dos aspetos-chave do destróier é a sua "baixa visibilidade para os radares”. 
Destróier nuclear russo
Destroier nuclear russo © Foto: Courtesy photo
Falando na feira militar Exponaval 2016, realizada no Chile, Pospelov disse que o navio será equipado com um sistema de mísseis projetado para atacar com precisão alvos terrestres, navais e submarinos. 
"Ele será equipado com um complexo universal de detecção e fixação de alvos, sistemas de guerra eletrônica e equipamento hidroacústico para detecção de submarinos, minas e sabotadores", disse Pospelov.

Quanto à defesa do destróier, ela será composta de sistemas antimísseis de curto, médio e longo alcance. Ao mesmo tempo, o navio será quase invisível ao radar inimigo graças à estrutura do casco do navio e a materiais absorventes de radiação.

Além destas características, o destróier, que terá um deslocamento de 10.000 toneladas e atingirá uma velocidade de 30 nós, respeitará o meio ambiente. Anteriormente, foi relatado que o navio iria testar o sistema nuclear projetado para os futuros porta-aviões Shtorm (Tempestade, em russo).

Postar um comentário