Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Enterramentos em massa de dezenas de sírios torturados descobertos em Aleppo

Valas comuns com vítimas de torturas foram encontrados na cidade libertada de Aleppo, informou o porta-voz do Ministério da Defesa russo, major-general Igor Konashenkov na segunda-feira (26).


Sputnik


"Foram descobertos locais de enterramentos em massa de muitas dezenas [de sírios] que tinham sido sujeitos a torturas brutais e [em seguida] assassinados", destacou Konashenkov. 

Forças sírias retiram corpos no local de enterramento em massa (foto de arquivo)
Tropas sírias recolhendo os corpos na vala coletiva © AFP 2016/ LOUAI BESHARA

"Em muitos casos, faltam partes de corpos; a maioria das vítimas receberam tiros na cabeça. E parece que isto é apenas o início", comunicou o major-general. 

Konashenkov ressaltou que todos os fatos estão devidamente documentados. 

Segundo ele, as evidências estão sendo minuciosamente registradas como graves crimes de guerra para terem máxima divulgação junto da opinião pública, "para que os apoiantes europeus da chamada oposição moderada estejam cientes quem são realmente os seus protegidos".

Konashenkov acrescentou que os militantes da "oposição moderada" minaram quase tudo em Aleppo oriental, inclusive brinquedos, ruas, entradas em prédios, veículos e motocicletas.

"Literalmente tudo, para o que houve tempo e explosivos suficientes, foi minado: as ruas, entradas em prédios, veículos, motocicletas tombadas nas estradas e até brinquedos de crianças", frisou.
O porta-voz do Ministério da Defesa russo assinalou que em Aleppo foram descobertos grandes depósitos com munições suficientes para armar vários batalhões de infantaria.

Em 22 de dezembro as forças do governo sírio assumiram pleno controle de Aleppo após a saída da cidade da última coluna de militantes. 

A Síria vive desde março de 2011 um conflito armado em que as tropas governamentais enfrentam grupos armados da oposição e de organizações terroristas como o Daesh e a Frente al-Nusra, (ambas proibidas na Rússia).

Postar um comentário