Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Erdogan diz que Turquia continuará operação na Síria, pactuada com Moscou

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, afirmou nesta segunda-feira que seu país não interromperá sua operação militar lançada no sábado contra as milícias curdas aliadas dos Estados Unidos no norte da Síria e insistiu que esta operação está pactuada com a Rússia.
EFE

"Não vamos retroceder em Afrin. Falamos com os russos e há consenso", disse o político islamita em relação à região do norte da Síria nas mãos das milícias curdas Unidades de Proteção do Povo (YPG), que Ancara considera terroristas e aliadas da guerrilha curda da Turquia, o PKK.


Erdogan voltou a acusar os EUA de armar e apoiar as YPG, aliadas de Washington contra o grupo jihadista Estado Islâmico.

"Não são honestos conosco. Continuaremos o nosso caminho no marco das conversações que mantemos com a Rússia", apontou.

"Queríamos comprar armas (com os EUA). Não nos deram e entregaram as mesmas armas a organizações terroristas. Que tipo de aliança estratégica é essa?", afirmou o presidente da T…

EUA aumentam recompensa oferecida para capturar líder do Estado Islâmico

Informação que leve à localização, prisão e condenação de Abu Bakr al-Baghdadi vale agora US$ 25 milhões.


France Presse

O governo americano mais do que dobrou nesta sexta-feira (16) a recompensa pela captura do líder do grupo Estado Islâmico (EI), Abu Bakr al-Baghdadi, que agora atingiu o valor de US$ 25 milhões -- antes era de US$ 10 milhões.

Abu Bakr al-Baghdadi, líder do Estado Islâmico, durante sermão em uma mesquita de Mosul, no Iraque. A imagem foi retirada de um vídeo divulgado em julho de 2014  (Foto: Al-Furqan Media/Anadolu Agency/AFP/Arquivo)
Abu Bakr al-Baghdadi, líder do Estado Islâmico, durante sermão em uma mesquita de Mosul, no Iraque. A imagem foi retirada de um vídeo divulgado em julho de 2014 (Foto: Al-Furqan Media/Anadolu Agency/AFP/Arquivo)

O anúncio do Departamento de Estado adquire contexto no momento em que forças locais apoiadas pelos Estados Unidos no Iraque e na Síria cercam os redutos dos extremistas islâmicos de Mossul e Raqa.

O dinheiro será pago a qualquer um que conceda "informação que conduza à localização, prisão e condenação" do militante, conhecido por seus seguidores como "califa Ibrahim".

"Sob comando de Al-Baghdadi, o EI matou milhares de civis no Oriente Médio, incluindo o brutal assassinato de inúmeros reféns japoneses, britânicos e americanos", diz o Departamento de Estado.

"O grupo também foi responsável por ataques com armas químicas no Iraque e na Síria, desafiando as leis internacionais sobre o uso desse tipo de armas, além de já ter realizado e apoiado ataques terroristas fora das fronteiras do seu autoproclamado califado", acrescenta.

Baghdadi havia assumido um perfil tímido, ainda que tenha se declarado líder do novo califado muçulmano. Entretanto, mês passado divulgou uma mensagem de áudio na qual clamava aos seus seguidores a defender a região de Mossul.

Não está claro se atualmente ele se encontra nessa cidade que está sob cerco, na qual proclamou o califado em 2014 depois que o EI se apoderou de vários territórios no leste da Síria e no norte do Iraque.



Postar um comentário