Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

No decorrer da operação Ramo de Oliveira será criada zona de segurança na Síria

O primeiro-ministro turco Binali Yildirim anunciou a criação, durante a operação militar turca na província síria de Afrin, de uma faixa de segurança de 30 quilômetros.
Sputnik

O premiê, citado pela emissora Haberturk, adiantou também que a operação seria efetuada em quatro etapas.


"A operação vai decorrer em 4 etapas com o objetivo de criar uma faixa de segurança de 30 quilômetros, que será limpa de terroristas", disse o político, citado pela emissora NTV.

Yildirim adiantou que até agora não há mortos ou feridos entre o contingente turco que realiza a operação.

Mais cedo, o Estado-Maior da Turquia anunciou o início da operação "Ramo de Oliveira" contra os grupos curdos na província síria de Afrin, que começou precisamente às 14h00 locais (12h00 no horário de Brasília). De acordo com a entidade militar, a operação conta com a participação de 72 aviões, enquanto 108 dos 113 alvos planejados já foram eliminados. Há poucos dias, o premiê turco, Binali Yildirim, havia avanç…

EUA negam apoiar grupos terroristas na Síria, como acusou Erdogan

Presidente Turco afirmou que americanos respaldam jihadistas; governo dos EUA escreveu resposta.


EFE

A embaixada dos Estados Unidos em Ancara publicou nesta quarta-feira (28) um comunicado no qual nega categoricamente que Washington apoie "grupos terroristas" como o Estado Islâmico (EI) e milícias curdas, como afirmou o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan. 

Resultado de imagem para erdogan
Recep Tayyip Erdogan

"O governo dos Estados Unidos não apoia o Daesh [sigla em árabe do Estado Islâmico]. Não criou nem apoiou o Daesh no passado. As afirmações de que o apoia não são certas", diz o comunicado, disponível em turco e inglês no site da embaixada.

Erdogan se queixou ontem que a coalizão antijihadista liderada pelos Estados Unidos, uma iniciativa militar fundada em 2014 e composta por 68 países, entre eles a Turquia, não só não faz o suficiente para acabar com o Estado Islâmico como respalda "grupos terroristas".

Entre esses grupos, o presidente turco incluiu as milícias curdo-sírias Unidades de Proteção Popular (YPG) e seu braço político Partido da União Democrática (PYD), que são reconhecidos aliados dos Estados Unidos na luta contra o Estado Islâmico.

O governo da Turquia considera terroristas as YPG e o PYD por seus vínculos com o grupo armado Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), ativo em solo turco.

"O que disseram as forças da Coalizão? 'Lutaremos contra Daesh com todas as nossas forças'. Inclusive nos acusaram de apoiar o Daesh. Mas agora já não há nada disso. Ao contrário: eles apoiam organizações terroristas como YPG e PYD, inclusive o Daesh", disse Erdogan.

"É muito óbvio, está tudo documentado, temos imagens, fotografias, vídeo e documentos", disse o presidente turco, sem esclarecer que tipo de apoio ou a que grupo armado se referia.

A embaixada americana respondeu de forma igualmente categórica: "O governo dos Estados Unidos não proporcionou armas nem explosivos ao YPG nem ao PKK, ponto".

Tal resposta contradiz um comunicado do Pentágono, que em outubro de 2014 afirmava que aviões militares americanos tinham lançado pacotes de "armas, munição e remédios proporcionados pelas autoridades curdas no Iraque às forças curdas" que defendiam naquele momento a cidade síria de Kobane contra o assédio do Estado Islâmico.

O comunicado da embaixada acrescenta que Washington continua trabalhando estreitamente com Ancara para derrubar o Daesh, em uma aparente resposta à queixa recorrente de que a coalizão não ajuda as tropas turcas em Al-Bab, bastião da milícia jihadista no noroeste da Síria.

"Isto inclui discussões sobre como podemos apoiar melhor a oposição síria e as forças turcas que enfrentam o Daesh ao redor de Al-Bab", detalha o comunicado.


Postar um comentário