Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

No decorrer da operação Ramo de Oliveira será criada zona de segurança na Síria

O primeiro-ministro turco Binali Yildirim anunciou a criação, durante a operação militar turca na província síria de Afrin, de uma faixa de segurança de 30 quilômetros.
Sputnik

O premiê, citado pela emissora Haberturk, adiantou também que a operação seria efetuada em quatro etapas.


"A operação vai decorrer em 4 etapas com o objetivo de criar uma faixa de segurança de 30 quilômetros, que será limpa de terroristas", disse o político, citado pela emissora NTV.

Yildirim adiantou que até agora não há mortos ou feridos entre o contingente turco que realiza a operação.

Mais cedo, o Estado-Maior da Turquia anunciou o início da operação "Ramo de Oliveira" contra os grupos curdos na província síria de Afrin, que começou precisamente às 14h00 locais (12h00 no horário de Brasília). De acordo com a entidade militar, a operação conta com a participação de 72 aviões, enquanto 108 dos 113 alvos planejados já foram eliminados. Há poucos dias, o premiê turco, Binali Yildirim, havia avanç…

Fonte na Casa Branca explica o motivo da liberação do fornecimento de armas para Síria

A liberação de fornecimento de armas aos aliados dos EUA na Síria está relacionada à operação para libertação de Raqqa do domínio do Daesh, informou à Sputnik um representante da Casa Branca.


Sputnik


Nesta quinta-feira, o presidente dos EUA, Barack Obama, revogou o embargo de fornecimento de armas para Síria, que é considerada por Washington como um país patrocinador do terrorismo. O memorando correspondente foi encaminhado aos chefes do Departamento de Estado e do Pentágono. 


Resultado de imagem para obama
Barack Obama, presidente dos EUA

“Essa liberação, solicitada pelo ministério da Defesa e assinada hoje pelo presidente, permite o fornecimento de equipamentos aos parceiros que estão preparando a campanha em Raqqa, a medida que nós ampliamos e fortalecemos os laços com as forças contrárias ao Daesh”, explicou o interlocutor da agência. 


“Síria é um Estado patrocinador do terrorismo. Desse modo, de tempos em tempos, o presidente precisa revogar os embargos pois, caso contrário, os militares dos EUA ficarão proibidos de fornecer armas aos nossos parceiros, que realizam operações antiterroristas na Síria”, disse a fonte na administração norte-americana. 

Desde 2014, os EUA realizam ataques aéreos na Síria contra o grupo terrorista Daesh, sem autorização dos governo deste país. Além disso, equipes das forças especiais americanas atuam na república árabe, oferecendo suporte aos opositores do presidente sírio Bashar Assad no combate ao terrorismo.

Raqqa é considerada a capital não oficial do Daesh na Síria e segundo centro do grupo terrorista na região, depois de Mossul (Iraque). A cidade de aproximadamente 300 mil habitantes foi tomada pelos jihadistas em 2013. As forças da oposição síria vem realizando uma operação de bloqueio à cidade nos últimos meses, no âmbito dos preparativos para a sua libertação.



Postar um comentário