Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Força Aérea israelense anuncia estreia global do caça F-35 em combate

Israel foi o primeiro país ao qual os Estados Unidos autorizaram a venda do caça invisível
Juan Carlos Sanz | El País
Jerusalém - A Força Aérea de Israel revelou nesta terça-feira que foi a primeira a utilizar em combate o F-35, o ultramoderno caça furtivo indetectável para os radares inimigos. O chefe da aeronáutica israelense, general Amikam Nirkin, fez o comunicado aos comandantes das forças aéreas de vários países reunidos ao norte de Tel Aviv.

O general Nirkin mostrou a seus colegas – procedentes dos EUA, Itália, França, Índia e Brasil, entre outros países – a imagem de vários F-35 sobre Beirute, enquanto confirmava que esses aviões tinham participado de ataques em duas frentes.

“O esquadrão do F-35 está em operação e já sobrevoa todo o Oriente Médio”, afirmou o chefe da força aérea.

Nirkin reiterou que, há duas semanas, a Guarda Revolucionária iraniana disparou 32 foguetes contra as Colinas de Golã, planalto sírio ocupado por Israel desde 1967 e que, em resposta à agressão, a aviação…

Força Aérea dos EUA alarmada com mísseis hipersônicos russos

Os EUA estão ficando cada vez mais para trás na corrida tecnológica a mísseis hipersônicos em comparação com a Rússia e a China, diz Washington Free Beacon, citando uma pesquisa efetuada pela Força Aérea norte-americana. 

Sputnik

"A China e a Rússia já estão conduzindo testes de armas manobráveis de alta velocidade que representam uma ameaça para as forças norte-americanas de posição avançada e até para a parte continental dos EUA", frisa o documento.
Míssil hipersônico Moskit lançado de um navio durante os exercícios realizados no mar do Japão
Lançamento do míssil hipersônico Moskit © Sputnik/ Ildus Gilyazutdinov
É a primeira vez que os militares norte-americanos manifestaram em um documento oficial sua preocupação com a disposição de forças na corrida armamentista global.

A competição se desenrolou à volta dos mísseis hipersônicos capazes de efetuar ataques tanto nucleares como convencionais, sublinha o portal Washington Free Bacon. Estes dispositivos podem voar a uma velocidade 5 vezes maior que a do som e manobrar sem serem detectados pelos sistemas antimísseis existentes hoje e que foram desenvolvidos para combater mísseis balísticos.

O presidente do painel de autores do relatório, Mark Lewis, destaca que os novos armamentos de Moscou e Pequim são capazes de alterar o modo como os militares norte-americanos entendem a estratégia de "alerta global" e os conceitos de poderio militar e sua abrangência. 
"A ofensiva e a defesa são dois lados da mesma medalha. Tal como nos anos da Guerra Fria, a única ferramenta segura de contenção de armamentos hipersônicos é o perigo de um contra-ataque simétrico", declara Lewis, citado pelo portal. 
Segundo diz o diretor-geral da corporação russa Takticheskoe Raketnoe Vooruzhenie (Corporação de Mísseis Táticos), Boris Obnosov, a Rússia pode obter armamentos hipersônicos no início da próxima década. 
Segundo destaca o novo conceito da política externa da Rússia, assinado nesta semana pelo presidente russo, Vladimir Putin, Moscou defende a cooperação construtiva com os EUA na esfera de controlo de armamentos, mas as negociações sobre uma redução ulterior das forças estratégicas de ataque são possíveis apenas no caso de serem levados em conta todos os fatores que influem na estabilidade. Neste sentido, o conceito considera a criação do sistema antimísseis norte-americano como uma ameaça para a Rússia.

Postar um comentário