Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Pyongyang: 3 porta-aviões perto da Coreia do Norte são uma ameaça de guerra nuclear

A ONU "fecha os olhos aos exercícios de guerra nuclear dos EUA, que estão empenhados em causar um desastre catastrófico para a humanidade", declarou o embaixador norte-coreano na ONU, Ja Song-nam.
Sputnik

As autoridades norte-coreanas classificaram na segunda (13) o deslocamento sem precedentes de 3 grupos de porta-aviões dos EUA para a zona da península da Coreia como uma "postura de ataque".


O representante norte-coreano permanente na ONU, Ja Song-nam, expressou em uma carta enviada ao secretário-geral da ONU o descontentamento do seu governo com os exercícios militares de Seul, Tóquio e Washington. Estes, segundo o diplomata, estão criando "a pior situação para a península da Coreia e seus arredores".

"Os EUA são os principais responsáveis por escalar as tensões e comprometer a paz", declarou Ja Song-nam.

Além da presença de 3 porta-aviões estadunidenses (Nimitz, Ronald Reagan e Theodore Roosevelt), Washington continua realizando voos de bombarde…

Fragata ‘Niterói’ comemora seu 40º aniversário

Alexandre Galante | Poder Naval

Em 21 de novembro, a bordo da Fragata ”Niterói”, foi realizada a cerimônia alusiva ao 40º aniversário do navio, presidida pelo Comandante em Chefe da Esquadra, Vice-Almirante Celso Luiz Nazareth, e contou com a presença de oito ex-Comandantes, incluindo o Almirante de Esquadra João Baptista Paoliello, primeiro Comandante do navio. 


F40 Niterói 013a
Foto Poder Naval – Alexandre Galante

Líder do projeto Mk.10 da Vosper Thornycroft Ltd (baseado na Type 21 da Royal Navy) de seis navios construídos especialmente desenhados e construídos para atender especificações técnicas do Brasil, a incorporação da fragata Niterói em 1976 foi seguida pela Fragata “Defensora” em 1977, as Fragatas “Constituição” e “Liberal” em 1978, a Fragata “Independência” em 1979 e a Fragata “União” em 1980. O Navio-Escola Brasil também teve seu casco baseado na classe Niterói.

A classe Niterói quando entrou em operação representava o estado-da-arte em matéria de navios de guerra, com seu sistemas de armas computadorizado e dotado de mísseis antissubmarino, antiaéreos e antinavio. Os navios proporcionaram um salto tecnológico de 30 anos em relação ao material empregado pela MB na época.

O editor do Poder Naval, Alexandre Galante, foi tripulante da fragata Niterói, do início de 1987 a meados de 1988. Trabalhou na vigilância e na equipe de manobra e crash responsável pelo lançamento e recuperação do helicóptero embarcado Westland Lynx.


Postar um comentário