Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Força Aérea israelense anuncia estreia global do caça F-35 em combate

Israel foi o primeiro país ao qual os Estados Unidos autorizaram a venda do caça invisível
Juan Carlos Sanz | El País
Jerusalém - A Força Aérea de Israel revelou nesta terça-feira que foi a primeira a utilizar em combate o F-35, o ultramoderno caça furtivo indetectável para os radares inimigos. O chefe da aeronáutica israelense, general Amikam Nirkin, fez o comunicado aos comandantes das forças aéreas de vários países reunidos ao norte de Tel Aviv.

O general Nirkin mostrou a seus colegas – procedentes dos EUA, Itália, França, Índia e Brasil, entre outros países – a imagem de vários F-35 sobre Beirute, enquanto confirmava que esses aviões tinham participado de ataques em duas frentes.

“O esquadrão do F-35 está em operação e já sobrevoa todo o Oriente Médio”, afirmou o chefe da força aérea.

Nirkin reiterou que, há duas semanas, a Guarda Revolucionária iraniana disparou 32 foguetes contra as Colinas de Golã, planalto sírio ocupado por Israel desde 1967 e que, em resposta à agressão, a aviação…

Iraque: Ataque aéreo deixa mais de 70 civis mortos e 100 feridos em Al Qaim

Os eventos ocorreram na cidade de Al-Qaim, na província de Anbar, oeste do país, perto da fronteira com a Síria. Entre os mortos e feridos há mulheres e crianças.


Sputnik


Mais de 70 civis foram mortos e cerca de 100 ficaram feridos após um ataque aéreo na cidade iraquiana de Al-Qaim, situada perto da fronteira com a Síria, de acordo com o canal Al-Arabiya. 


Cidade de Al-Qaim, na fronteira com a Síria, em foto de 29 de outubro de 2005
Al Qaim, Iraque © AFP 2016/ PATRICK BAZ

Aeronaves não identificadas bombardearam o mercado central da cidade, matando pelo menos 20 pessoas no local, bem como os bairros orientais de Al-Qaim, segundo relataram testemunhas citadas pela BBC. 


Entre os mortos e feridos, estima-se que havia 12 mulheres e 19 crianças.

Até agora, nenhum grupo reivindicou a responsabilidade pelo massacre. 


A agência de notícias Amaq, afiliada ao Daesh (autodenominado Estado Islâmico), publicou um vídeo chocante na Internet supostamente mostrando o cenário pós-ataque, classificado pela agência como um "massacre perpetrado por aviões iraquianos". 

A coalizão liderada pelos EUA, que está apoiando o governo iraquiano em sua luta contra o Daesh, também realizou ataques aéreos em torno de Al-Qaim.

Postar um comentário