Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Kremlin: Após levantamento do embargo pelos EUA, armas podem cair nas mãos de terroristas

O fato de os lançadores de mísseis poderem vir a cair nas mãos dos terroristas no Oriente Médio seria o pior resultado do levantamento do embargo de armas pelos EUA, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov.


Sputnik


O presidente dos EUA Barack Obama levantou na quinta-feira (8) embargo ao fornecimento de armas, munições e equipamento militar aos aliados dos EUA na luta contra o terrorismo na Síria. 


Exército Livre da Síria checando munições nos arredores de Aleppo, na Síria
Terroristas em Aleppo checando munições © AP Photo/ Khalil Hamra

"Aqui é preciso compreender com muita cautela o objetivo, perceber as intenções e compreender os detalhes desta decisão. Sem dúvida, o pior resultado desta decisão seria diversos tipos de armas, inclusive lançadores de mísseis portáteis, poderem ir parar nas mãos dos terroristas, o que contradiz as convenções internacionais dedicadas a este assunto e representa uma ameaça séria não somente para a região <…>, mas para todo o mundo ", disse Peskov. 


Peskov afirmou que isso também é uma ameaça para a Força Aeroespacial da Rússia na Síria. 

"Embora, com certeza, haja certos meios de proteção. São tecnologias contemporâneas, há medidas de precaução que os pilotos nestas condições devem observar. Mas claro que a ameaça é ainda muito grande", acrescentou. 

Mais cedo, os EUA informaram sobre fornecimento de lotes limitados de armas e munições à oposição síria. 

Desde 2014 os EUA realizam ataques na Síria contra o grupo radical Daesh sem permissão das autoridades sírias. No país atuam também grupos das forças especiais norte-americanas que ajudam as forças locais não controladas pelo governo sírio a lutar contra os terroristas. Se trata, em particular, das chamadas Forças Democráticas da Síria e de outros grupos, cuja lista os EUA se recusam a publicar.


Postar um comentário