Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Força Aérea israelense anuncia estreia global do caça F-35 em combate

Israel foi o primeiro país ao qual os Estados Unidos autorizaram a venda do caça invisível
Juan Carlos Sanz | El País
Jerusalém - A Força Aérea de Israel revelou nesta terça-feira que foi a primeira a utilizar em combate o F-35, o ultramoderno caça furtivo indetectável para os radares inimigos. O chefe da aeronáutica israelense, general Amikam Nirkin, fez o comunicado aos comandantes das forças aéreas de vários países reunidos ao norte de Tel Aviv.

O general Nirkin mostrou a seus colegas – procedentes dos EUA, Itália, França, Índia e Brasil, entre outros países – a imagem de vários F-35 sobre Beirute, enquanto confirmava que esses aviões tinham participado de ataques em duas frentes.

“O esquadrão do F-35 está em operação e já sobrevoa todo o Oriente Médio”, afirmou o chefe da força aérea.

Nirkin reiterou que, há duas semanas, a Guarda Revolucionária iraniana disparou 32 foguetes contra as Colinas de Golã, planalto sírio ocupado por Israel desde 1967 e que, em resposta à agressão, a aviação…

Lavrov: OTAN descumpre obrigações de segurança na Europa

O ministro russo das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, declarou durante uma entrevista coletiva em Belgrado, que a Rússia não enxerga a vontade dos EUA em cumprir suas obrigações relativas à segurança na Europa. 


Sputnik

"Temos o interesse de que o entendimento de bloco não prevaleça na Europa, mas que haja um retorno àqueles valores, que foram proclamados no plano político no âmbito da OSCE. Antes de tudo, sobre a necessidade de garantir a indivisibilidade da segurança na Europa, de modo que ninguém tente assegurar a própria segurança em detrimento dos outros" – declarou Lavrov. 


O ex-comandante supremo da OTAN na Europa Philip Breedlove
Ex-comandante supremo da OTAN Philip Breedlove © AP Photo/ Virginia Mayo


Ele destacou, que, até o momento, Moscou ainda não enxerga "uma disposição da OTAN e seus membros em cumprir essas obrigações políticas". 

O ministro russo destacou ainda, que a Rússia avalia como provocação a ideia da implantação de uma unidade da OTAN no mar Negro.

"Quanto a certas iniciativas, o lado ucraniano tem muitas delas, e essas iniciativas, na minha opinião, já começam a provocar um certo cansaço em nossos parceiros. Temos a convicção de que, no âmbito da segurança, todas as decisões no mar Negro devem ser tomadas por países costeiros. Portanto, consideramos como provocação a ideia da Ucrânia, e também de nossos vizinhos romenos de mar Negro, em criar ali um grupamento ativo e permanente da OTAN" – explicou Lavrov.

Nesse sentido, ele disse ter esperanças de que, "agora, a situação irá se acalmar e nossos parceiros romenos tirem disso as mesmas conclusões corretas".



Postar um comentário