Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares norte-americanos acreditam que EUA entrarão em guerra

Quase metade do Exército dos EUA está confiante de que durante o ano de 2019 seu país estará envolvido em um grave conflito armado, de acordo com o Military Times.
Sputnik

Segundo uma pesquisa recente, 46% dos participantes não duvidam que o confronto militar ocorrerá no próximo ano.


A título de comparação, em 2017, apenas 5% dos militares dos EUA esperavam um conflito armado, enquanto 50% descartaram um cenário de guerra e 4% não responderam.

Quanto aos inimigos mais prováveis, os soldados dos EUA mencionaram principalmente a Rússia e a China. Respectivamente, 72% e 69% dos entrevistados escolheram esses dois países.

Além disso, cerca de 57% estão preocupados com a presença de extremistas islâmicos nos Estados Unidos. Em particular, 48% destacaram uma possível ameaça por parte dos grupos terroristas Daesh e Al Qaeda (proibidos na Rússia e em outros países).

Ministério da Defesa sobre bombardeio de hospital russo : 'Foi assassinato a sangue frio'

O bombardeio do hospital de campanha russo em Aleppo, na Síria, não foi uma violação do direito humanitário internacional pelas partes em conflito, mas sim um assassinato a sangue frio planejado, afirmou o representante oficial do Ministério da Defesa, Igor Konashenkov. 


Sputnik

Mais cedo, foi comunicado que os militantes da chamada oposição síria tinham bombardeado o hospital militar móvel instalado em Aleppo, deixando duas médicas militares russas mortas e um ferido. Além disso, foram feridos vários habitantes locais que tinham chegado para uma consulta.


Hospital móvel do Ministério da Defesa russo em Aleppo foi bombardeado
Hospital móvel russo bombardeado em Aleppo, Síria © Sputnik/ Mikhail Alaeddin


Passado algum tempo, o Comitê Internacional da Cruz Vermelha afirmou que os bombardeios dos hospitais em Aleppo são prova de que as partes em conflito não têm capacidade de cumprir seus compromissos de proteger os funcionários dos hospitais.

Igor Konashenkov fez lembrar que o presidente do Comitê Internacional da Cruz Vermelha visitou o Ministério da Defesa russo há uma semana e a organização sabe bem qual é o apoio prestado por Moscou aos civis de Aleppo. 


"Por isso, não se trata de uma violação do direito humanitário internacional pelas partes 'em conflito', como se diz no comunicado do Comitê Internacional da Cruz Vermelha, mas sim de um assassinato a sangue frio planejado por militantes", afirmou Konashenkov. 

Ele frisou que a morte de qualquer pessoal médico que presta assistência às crianças tem mais de uma dimensão. Segundo disse Konashenkov, "não é apenas uma "violação do direito internacional" ou um ato delinquente, é sempre um "momento de verdade". Com tais crimes, começas a compreender com quem é que estás lidando", frisou o representante do Ministério.

"Por feliz acaso, no momento do bombardeio não havia na sala de registro dezenas de crianças sírias e suas mães das zonas orientais de Aleppo libertadas de terroristas. Devido aos atrasos na circulação de ônibus, elas não tinham ainda chegado. Evitou-se a morte maciça na sala de registro do hospital russo", destacou o general.

Segundo disse Konashenkov, a Rússia contava com uma atitude de respeito para com o trabalho dos médicos em Aleppo por parte do Comitê Internacional da Cruz Vermelha e que este condenasse as ações dos radicais. 


"Em vez disso, recebemos comentários cínicos que não são dignos de alto status do Comitê Internacional da Cruz Vermelha e que provam não a imparcialidade de abordagem, mas a ignorância em relação ao assassínio dos médicos russos em Aleppo", resumiu o representante do Ministério da Defesa.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas