Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Morre líder militar do Estado Islâmico na Síria, dizem os EUA

France Presse

Um líder militar do grupo Estado Islâmico na Síria foi morto em um ataque aéreo realizado pela coalizão liderada pelos Estados Unidos, informou o Pentágono nesta quinta-feira (29).


Combatentes das Forças Democráticas Sírias (FDS) montam guarda em Khirbet al-Jahshe, a oeste de Raqa, na Síria
Combatentes das Forças Democráticas Sírias (FDS) montam guarda em Khirbet al-Jahshe, a oeste de Raqa, na Síria

Abu Jandal Al-Kuwaiti morreu na segunda-feira perto de Tabqa Dam, a oeste da cidade de Raqa, reduto do EI, de acordo com o Comando Central americano (Centcom) para o Oriente Médio.

Rami Abdel Rahman, diretor do Observatório Sírio dos Direitos Humanos, descreveu Al-Kuwaiti como o "número dois dos comandantes militares do EI na Síria".

O líder jihadista liderou batalhas no Iraque e na Síria e havia sido recentemente enviado a Raqa, onde supervisionava os ataques contra as Forças Democráticas Sírias (FDS), de acordo com o Observatório.

As FDS, uma aliança anti-jihadista dominada pelo curdos que também inclui árabes e turcomanos e é apoiada pelos Estados Unidos, lançaram uma ofensiva para retomar Raqa no início de novembro.

De acordo com o Centcom, Al-Kuwaiti estaria envolvido nas operações com carros-bomba, dispositivos explosivos improvisados (IEDs, por sua sigla em inglês) e armas químicas contra as FDS.

A morte de Al-Kuwaiti limita a capacidade do EI para defender Raqa e sua capacidade de lançar ataques no oeste do país, disse o Centcom.



Postar um comentário