Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares norte-americanos acreditam que EUA entrarão em guerra

Quase metade do Exército dos EUA está confiante de que durante o ano de 2019 seu país estará envolvido em um grave conflito armado, de acordo com o Military Times.
Sputnik

Segundo uma pesquisa recente, 46% dos participantes não duvidam que o confronto militar ocorrerá no próximo ano.


A título de comparação, em 2017, apenas 5% dos militares dos EUA esperavam um conflito armado, enquanto 50% descartaram um cenário de guerra e 4% não responderam.

Quanto aos inimigos mais prováveis, os soldados dos EUA mencionaram principalmente a Rússia e a China. Respectivamente, 72% e 69% dos entrevistados escolheram esses dois países.

Além disso, cerca de 57% estão preocupados com a presença de extremistas islâmicos nos Estados Unidos. Em particular, 48% destacaram uma possível ameaça por parte dos grupos terroristas Daesh e Al Qaeda (proibidos na Rússia e em outros países).

ONU aprova envio de observadores a Aleppo

Conselho de Segurança adota resolução para garantir retirada "voluntária, segura e digna" de civis do último bastião rebelde no leste da cidade. Após impasse durante o fim de semana, processo de evacuação é retomado.


Deutsch Welle


O Conselho de Segurança da ONU aprovou nesta segunda-feira (19/12), por unanimidade, uma resolução para permitir o envio de observadores para monitorar a retirada de civis e combatentes da oposição do leste de Aleppo.


Sírios retirados do enclave no leste de Aleppo chegam a área dominada pelos grupos de oposição
Sírios retirados do enclave no leste de Aleppo chegam a área dominada pelos grupos de oposição

A resolução, que resulta de um entendimento entre Rússia, Estados Unidos e França, é a primeira demonstração de unidade das potências mundiais em relação à crise na Síria nos últimos meses. A Rússia havia ameaçado vetar o texto original, proposto pela França. Foram necessárias horas de negociações para se chegar ao consenso entre os 15 países-membros do Conselho.

Segundo o documento adotado nesta segunda-feira, a equipe humanitária da ONU que já se encontra no país se encarregará de vigiar o processo de evacuação do leste de Aleppo. A resolução determina a importância de "garantir a passagem voluntária, segura e digna de todos os civis dos distritos orientais de Aleppo ou outras zonas ao destino que escolherem, sob a supervisão e a coordenação das Nações Unidas e outras instituições pertinentes".

O embaixador francês na ONU, François Delattre, garantiu que a resolução dá base "para evitar novas atrocidades maciças no leste de Aleppo". Segundo Delattre, a ONU está preparada para começar a aplicar a resolução sem atraso.

Retirada de civis


A retomada de Aleppo pelas forças do governo sírio – a maior vitória do regime de Bashar al Assad em quase seus anos de guerra civil – deixou milhares de pessoas sitiadas no último bastião rebelde no leste da cidade. Nesta segunda-feira, milhares de pessoas foram retiradas da área, após um novo acordo que permitiu a evacuação dos habitantes de dois vilarejos pró-governo sitiados pelos insurgentes na província de Idlib.

Comboios de ônibus provenientes do leste de Aleppo chegaram a territórios controlados pelos grupos de oposição a oeste da cidade, segundo informou a organização Observatório Sírio dos Direitos Humanos. Ao mesmo tempo, dez ônibus deixaram os vilarejos xiitas de Al-Foua e Kefraya, com destino às linhas de frente do regime de Damasco.

Segundo o Comitê Internacional da Cruz Vermelha, 5 mil pessoas deixaram Aleppo nesta segunda-feira em 75 ônibus, após outras 350 serem retiradas durante a noite. Dos dois vilarejos em Idlib, cerca de 500 pessoas haviam sido retiradas, segundo informou o Observatório.

A evacuação dos dois vilarejos foi uma exigência do eExército sírio e seus aliados antes de permitir que os combatentes e civis do enclave rebelde em Aleppo deixassem o local. O impasse havia paralisado a retirada do leste da cidade durante o fim de semana.

O ministro turco do Exterior, Mevlut Cavusoglu, afirmou que até o momento 20 mil civis foram retirados do leste de Aleppo. Segundo a ONU, 50 crianças de um orfanato foram resgatadas no leste da cidade, algumas delas com ferimentos graves.

"Retiradas complexas do leste de Aleppo e de Foua e Kefraya estão agora a todo vapor. Mais de 900 ônibus foram necessários para as evacuações. Não podemos fracassar", afirmou Jan Egeland, que preside a força-tarefa humanitária da ONU na Síria.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas