Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Pyongyang: 3 porta-aviões perto da Coreia do Norte são uma ameaça de guerra nuclear

A ONU "fecha os olhos aos exercícios de guerra nuclear dos EUA, que estão empenhados em causar um desastre catastrófico para a humanidade", declarou o embaixador norte-coreano na ONU, Ja Song-nam.
Sputnik

As autoridades norte-coreanas classificaram na segunda (13) o deslocamento sem precedentes de 3 grupos de porta-aviões dos EUA para a zona da península da Coreia como uma "postura de ataque".


O representante norte-coreano permanente na ONU, Ja Song-nam, expressou em uma carta enviada ao secretário-geral da ONU o descontentamento do seu governo com os exercícios militares de Seul, Tóquio e Washington. Estes, segundo o diplomata, estão criando "a pior situação para a península da Coreia e seus arredores".

"Os EUA são os principais responsáveis por escalar as tensões e comprometer a paz", declarou Ja Song-nam.

Além da presença de 3 porta-aviões estadunidenses (Nimitz, Ronald Reagan e Theodore Roosevelt), Washington continua realizando voos de bombarde…

Por que o Ocidente tomou o lado dos terroristas?

A Sputnik Itália falou com o arquimandrita Mtanios Haddad, da igreja católica de rito oriental bizantino greco-melquita, que agora vive em Roma, sobre o papel da Rússia na resolução do conflito sírio e na libertação de Aleppo.


Sputnik


O padre manifestou grande pesar em relação à morte do embaixador russo e afirmou que "o assassinato não foi somente um atentado, foi uma traição da paz. A Rússia está na primeira fila dos que lutam contra o terrorismo e assumiu a responsabilidade de trazer pelo menos um pouco de paz e tranquilidade para o Oriente Médio. O assassinato do embaixador foi uma traição, um golpe nas costas. É impensável atacar um embaixador, que é um símbolo do país".
 

Agentes das forças pró-governamentais sírias na cidade de Aleppo, Síria, 21 de dezembro de 2016
Aleppo, Síria © AFP 2016/ GEORGE OURFALIAN

Na opinião do padre, os terroristas têm outra filosofia de vida. Não aceitam nem a religião, nem os argumentos de outras pessoas, simplesmente eliminam-nas. 

"Não é a força, mas a fraqueza, uma fraqueza da pessoa que não quer ver algo que seja diferente ao seu lado", disse padre Haddad à Sputnik Itália.
Na sua visão, é vergonha dizer que Aleppo caiu. Pelo contrário, voltou para o Estado sírio graças ao sangue dos soldados sírios.

"Queria agradecer a Rússia por isso, porque Hmeymim tornou-se não somente uma base militar, mas uma base de pacificadores, uma base de reunificação do povo sírio". 

O padre sublinhou que o Ocidente queria derrubar Assad, mas a Síria e Rússia mudaram tudo. "Os países do Ocidente não querem aceitar a sua derrota, não querem dizer aos seus povos que as suas mãos estão cobertas de sangue dos soldados sírios". 

O padre Haddad disse que não existe uma "oposição moderada", há o exército do governo legítimo e pessoas que querem matar soldados sírios. "Se tais pessoas pertencem ao país, são traidores, se veem do exterior – são mercenários". 

A Rússia, segundo o padre Haddad, compreendeu o perigo do terrorismo e contribuiu para a reunificação do povo sírio.


Postar um comentário