Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Qual será resposta síria a novos mísseis 'inteligentes' dos EUA?

A cada declaração do presidente dos EUA, Donald Trump, sobre seus "mísseis inteligentes", os sistemas de defesa antiaérea sírios terão sua própria resposta de mísseis, o que foi demonstrado pelo país em 14 de abril, assegurou à Sputnik o membro do Conselho Público junto ao Ministério da Defesa da Rússia, Igor Korotchenko.
Sputnik

Mais cedo, Sergei Rudskoy, chefe da Direção-Geral Operacional do Estado-Maior das Forças Armadas russas, disse aos jornalistas que os especialistas russos tinham detectado evidências de 22 mísseis terem atingido alvos, de um total de 105 anunciados pelos EUA, na sequência do ataque aéreo dos EUA e seus aliados.


"Os mísseis podem ser 'inteligentes', mas os sistemas da defesa antiaérea podem ser eficientes, por isso, para cada míssil 'astuto' haverá um míssil guiado, o que foi demonstrado pelo ótimo treinamento profissional dos soldados sírios. Nas declarações de Trump há muita publicidade, e para cada tweet de Trump sobre seus '…

Por que o Ocidente tomou o lado dos terroristas?

A Sputnik Itália falou com o arquimandrita Mtanios Haddad, da igreja católica de rito oriental bizantino greco-melquita, que agora vive em Roma, sobre o papel da Rússia na resolução do conflito sírio e na libertação de Aleppo.


Sputnik


O padre manifestou grande pesar em relação à morte do embaixador russo e afirmou que "o assassinato não foi somente um atentado, foi uma traição da paz. A Rússia está na primeira fila dos que lutam contra o terrorismo e assumiu a responsabilidade de trazer pelo menos um pouco de paz e tranquilidade para o Oriente Médio. O assassinato do embaixador foi uma traição, um golpe nas costas. É impensável atacar um embaixador, que é um símbolo do país".
 

Agentes das forças pró-governamentais sírias na cidade de Aleppo, Síria, 21 de dezembro de 2016
Aleppo, Síria © AFP 2016/ GEORGE OURFALIAN

Na opinião do padre, os terroristas têm outra filosofia de vida. Não aceitam nem a religião, nem os argumentos de outras pessoas, simplesmente eliminam-nas. 

"Não é a força, mas a fraqueza, uma fraqueza da pessoa que não quer ver algo que seja diferente ao seu lado", disse padre Haddad à Sputnik Itália.
Na sua visão, é vergonha dizer que Aleppo caiu. Pelo contrário, voltou para o Estado sírio graças ao sangue dos soldados sírios.

"Queria agradecer a Rússia por isso, porque Hmeymim tornou-se não somente uma base militar, mas uma base de pacificadores, uma base de reunificação do povo sírio". 

O padre sublinhou que o Ocidente queria derrubar Assad, mas a Síria e Rússia mudaram tudo. "Os países do Ocidente não querem aceitar a sua derrota, não querem dizer aos seus povos que as suas mãos estão cobertas de sangue dos soldados sírios". 

O padre Haddad disse que não existe uma "oposição moderada", há o exército do governo legítimo e pessoas que querem matar soldados sírios. "Se tais pessoas pertencem ao país, são traidores, se veem do exterior – são mercenários". 

A Rússia, segundo o padre Haddad, compreendeu o perigo do terrorismo e contribuiu para a reunificação do povo sírio.


Postar um comentário