Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Putin passa para Trump a responsabilidade de resolver conflito na Síria

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, passou a bola para que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, seja o responsável por resolver o conflito na Síria.
EFE

Helsinque - Em entrevista coletiva conjunta realizada nesta segunda-feira, em Helsinque, após a primeira cúpula entre os dois líderes, Putin também deu para Trump uma bola oficial da Copa do Mundo.

"No que se refere ao fato de a bola da Síria estar no nosso telhado, senhor presidente, o senhor acaba de dizer que organizamos com sucesso o Mundial de Futebol. Portanto, quero agora entregar esta bola. Agora, a bola está do seu lado", disse Putin.

O presidente russo fazia uma referência a uma frase do secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, que havia afirmado que a bola para resolver o conflito na Síria estava no telhado do Kremlin.

Trump agradeceu pelo presente e disse estar confiante de que EUA, México e Canadá organizarão em 2026 uma Copa do Mundo tão bem-sucedida como a da Rússia.

Na sequência, o presidente americ…

Por que o Ocidente tomou o lado dos terroristas?

A Sputnik Itália falou com o arquimandrita Mtanios Haddad, da igreja católica de rito oriental bizantino greco-melquita, que agora vive em Roma, sobre o papel da Rússia na resolução do conflito sírio e na libertação de Aleppo.


Sputnik


O padre manifestou grande pesar em relação à morte do embaixador russo e afirmou que "o assassinato não foi somente um atentado, foi uma traição da paz. A Rússia está na primeira fila dos que lutam contra o terrorismo e assumiu a responsabilidade de trazer pelo menos um pouco de paz e tranquilidade para o Oriente Médio. O assassinato do embaixador foi uma traição, um golpe nas costas. É impensável atacar um embaixador, que é um símbolo do país".
 

Agentes das forças pró-governamentais sírias na cidade de Aleppo, Síria, 21 de dezembro de 2016
Aleppo, Síria © AFP 2016/ GEORGE OURFALIAN

Na opinião do padre, os terroristas têm outra filosofia de vida. Não aceitam nem a religião, nem os argumentos de outras pessoas, simplesmente eliminam-nas. 

"Não é a força, mas a fraqueza, uma fraqueza da pessoa que não quer ver algo que seja diferente ao seu lado", disse padre Haddad à Sputnik Itália.
Na sua visão, é vergonha dizer que Aleppo caiu. Pelo contrário, voltou para o Estado sírio graças ao sangue dos soldados sírios.

"Queria agradecer a Rússia por isso, porque Hmeymim tornou-se não somente uma base militar, mas uma base de pacificadores, uma base de reunificação do povo sírio". 

O padre sublinhou que o Ocidente queria derrubar Assad, mas a Síria e Rússia mudaram tudo. "Os países do Ocidente não querem aceitar a sua derrota, não querem dizer aos seus povos que as suas mãos estão cobertas de sangue dos soldados sírios". 

O padre Haddad disse que não existe uma "oposição moderada", há o exército do governo legítimo e pessoas que querem matar soldados sírios. "Se tais pessoas pertencem ao país, são traidores, se veem do exterior – são mercenários". 

A Rússia, segundo o padre Haddad, compreendeu o perigo do terrorismo e contribuiu para a reunificação do povo sírio.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas