Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Todo o mainstream ocidental está envolvido em falsificação sobre Aleppo

No contexto do fracasso da coalizão ocidental em Aleppo, Merkel e Hollande propuseram uma nova extensão das sanções antirrussas, o Parlamento britânico acusou a Rússia de ataques de hackers e Obama pediu o relatório final dos serviços secretos sobre manipulações por hackers russos dos sistemas informáticos dos partidos americanos.


Giulietto Chiesa para a Sputnik Itália

No contexto do fracasso da coalizão ocidental em Aleppo, Merkel e Hollande propuseram uma nova extensão das sanções antirrussas em Bruxelas, o Parlamento britânico, através de um deputado trabalhista, acusou a Rússia de ataques de hackers que contribuíram para o Brexit e Obama pediu o relatório final dos serviços secretos sobre manipulações por hackers russos dos sistemas informáticos dos partidos americanos.


Os evacuados de Aleppo oriental chegam a uma área na ponta ocidental da cidade de Aleppo que é prendida por insurgentes, Syria 16 de dezembro de 2016
Evacuação de Aleppo, Síria © REUTERS/ Ammar Abdullah

Agora surge uma notícia para desviar a atenção do público ocidental de seus próprios problemas — acusações contra a Rússia pelos bombardeios da população civil de Aleppo.

Aqui a orgia de falsificações ganhou uma escala sem precedentes, e toda a mídia ocidental descreve os últimos dias de Aleppo como o apogeu da crueldade do exército regular sírio com apoio da Rússia. 


Claro que existe uma tragédia humanitária. Mas a mídia, os principais protagonistas de uma guerra híbrida, finge que não se recorda de quem criou esta situação e quem está tentando prolongá-la. As únicas fontes de informação que a mídia usa para lavar os cérebros de centenas de milhões de telespectadores é a "artilharia pesada" dos anglo-saxões. E não há qualquer vestígio dos comunicados de imprensa e reportagens de fontes e televisão russas, que dão outra informação e mostram uma imagem diferente.

Está entendido que os russos também são tendenciosos e as informações da sua mídia também devem ser avaliadas e verificadas. Mas dessa verificação nem se fala. As opiniões contrárias são simplesmente ignoradas. Só é considerada confiável a informação que vem do campo oposto. E isso é pura e simplesmente propaganda de guerra. Entretanto, já ninguém mais está falando dos terroristas assassinos. Os comentaristas ocidentais e a opinião pública sentem pena deles e simpatizam com eles.

Portanto, podemos dizer que estamos assistindo à mais moderna e mais sutil guerra híbrida: uma mistura de bombardeios reais [da população em fuga] e ataques virtuais [às mentes do público ocidental].


Postar um comentário