Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Única mulher a bordo do submarino argentino desaparecido é oficial pioneira

Eliana María Krawczyk, de 35 anos, é a 'primeira submarinista' da Argentina. O ARA San Juan desapareceu com 44 tripulantes no Atlântico Sul.
G1

Única mulher no submarino militar argentino desaparecido com 44 tripulantes no Atlântico Sul, Eliana María Krawczyk, de 35 anos, é descrita pela imprensa local como primeira oficial submarinista do país e da América do Sul. Ela ocupa o cargo de chefe de armas do ARA San Juan, que perdeu contato com a terra na sexta-feira (17).

Eliana nasceu em Oberá, na província de Misiones, no nordeste da Argentina, e só conheceu o mar aos 21 anos de idade, destaca o perfil do jornal "Clarín". Após se formar no ensino médio, ela se matriculou na Universidade de Misiones para fazer faculdade de Engenharia Industrial.

Duas tragédias familiares levaram Eliana a desistir do curso: a morte de um irmão, em um acidente de trânsito, e a morte da mãe, em decorrência de um problema cardíaco.

Em um perfil publicado em 2015 na revista "Viva", que …

Atirador mata 39 e fere 69 em casa noturna em Istambul, diz ministro

Atirador invadiu clube Reina durante comemorações de Ano Novo. Governador classificou ato como um ataque terrorista.


G1


Chegou a 39 o número de mortos e a 69 o de feridos após tiros serem disparados em uma casa noturna em Istambul, na Turquia, durante a comemoração do Ano Novo. Os novos números foram informados pelo ministro do interior, Suleyman Soylu. Ele também informou que, dos 21 dos mortos já identificados, 16 são estrangeiros. As buscas pelo atirador continuam. 

Resultado de imagem para Dois aviões de pequeno porte colidiram em pleno voo perto de McKinney
Mulher ferida é retirada por paramédicos do clube Reina, em Istambul, após ataque durante comemoração do Ano Novo (Foto: Murat Ergin/Ihlas News Agency via Reuters) 

Oito dos feridos estão em estado crítico, segundo a emissora de televisão Al Jazeera.

Mais cedo, o governador de Istambul, Vasip Şahin, havia anunciado que havia 35 mortos e 40 feridos. Şahin afirmou que um atirador agiu sozinho e classificou o caso de "ataque terrorista", sem especificar quem seria o autor, de acordo com a agência de notícias Reuters.

O ataque aconteceu no Reina, um dos clubes mais populares de Istambul, que também tem uma área de bar e restaurante. Os tiros começaram por volta da 1h30 da madrugada de domingo na Turquia (20h30 de sábado em Brasília), quando havia centenas de pessoas no estabelecimento.

Testemunhas chegaram a dizer que dois homens fantasiados de Papai Noel entraram no local e atiraram aleatoriamente, sem escolher vítimas específicas, segundo a CNN turca. Um policial que estava na porta foi o primeiro a ser baleado e morrer.

Sinem Uyanik, que estava no local e cujo marido foi ferido, disse à agência de notícias Associated Press (AP) que teve a impressão de ter visto mais de um atirador. "Meu marido me disse para deitar no chão, e então um homem veio. Estávamos perto das janelas. Deitamos no chão e meu marido ficou por cima de mim. Eles atiraram. Duas ou três pessoas atiraram. Então tinha uma espécie de névoa e eu desmaiei. Eles atiraram até nós sairmos de lá. Pessoas estavam no chão. Forças Especiais chegaram e nos tiraram dali. Meu marido foi baleado em três lugares", afirmou Uyanik.

Horas depois dos tiros, testemunhas diziam que o atirador ainda estaria escondido dentro do clube, enquanto outros acreditavam que ele tenha fugido sem ser identificado. Dezenas de ambulâncias e viaturas policiais foram ao local, que fica no bairro de Ortakoy.

O gabinete do primeiro-ministro turco, Binali Yildirim, impôs uma proibição temporária à cobertura da imprensa, por razões de segurança nacional e manutenção da ordem pública, segundo a AP.

Segundo a agência estatal turca Anadolu, medidas especiais de segurança foram adotadas nas principais cidades turcas para as festas de fim de ano. Apenas em Istambul, 17 mil policiais foram acionados, alguns deles disfarçados de Papai Noel ou vendedores ambulantes.

A Casa Branca emitiu um comunicado, no qual afirma seu apoio à Turquia e ao combate ao terrorismo. "Os Estados Unidos condenam em seus mais fortes termos o horrível ataque terrorista em uma casa noturna em Istambul... Que uma atrocidade dessas possa ter sido perpetrada em pessoas inocentes, muitas das quais celebrando o Ano Novo, destaca a selvageria dos atacantes... Reafirmamos o apoio dos Estados Unidos à Turquia, nosso aliado na OTAN, em nossa compartilhada determinação em confrontar e derrotar todas as formas de terrorismo", diz o texto.

Ataques anteriores

Em 2016, Istambul sofreu uma série de ataques atribuídos por autoridades turcas ao grupo terrorista Estado Islâmico ou reivindicados por militantes curdos. Um estado de emergência está em vigor no país após uma tentativa fracassada de golpe de estado contra o presidente, Recep Tayyip Erdoğan, em 15 de julho de 2016.

A Turquia é parceira da coalizão liderada pelos EUA contra o Estado Islâmico e suas forças armadas na Síria e no Iraque. O país também enfrenta militantes curdos no sudeste do país.

Postar um comentário