Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

'Continuaremos apoiando Ucrânia': Londres joga indiretas para Trump

Como destaca a edição Telegraph, o ministro chegou a Kiev para apoiar os ucranianos devido à tomada de posse do presidente eleito dos EUA, Donald Trump, conhecido por ser cordial em relação à Rússia.


Sputnik

Ao comentar as inquietações ligadas à possibilidade de os EUA reduzirem o apoio à Ucrânia, Fallon sublinhou que os valores do Reio Unido, tais como democracia e liberdade, não estão à venda. Como escreve a Telegraph, esta frase é principalmente destinada à administração de Trump. 


Londres, Reino Unido
Londres, Inglaterra © Foto: Pixabay

"O Reino Unido intensifica influência no palco internacional e tem intenção de apoiar seus amigos ucranianos. Londres envia sinal claro sobre a fidelidade à proteção da democracia de todo mundo e do apoio da soberania, independência e integridade da Ucrânia", declarou Fallon citado pela Telegraph.

Ele também prometeu que os instrutores militares britânicos ampliarão o programa de treinamentos da Marinha ucraniana e da Força Armada. Como lembra a edição, militares do Reino Unido já treinaram cerca de 5 mil soldados ucranianos.

Foi também destacado que, em breve, pela primeira vez em dez anos, o navio militar da Marinha britânica visitará a Ucrânia. Em particular, ao porto de Odessa, no terceiro trimestre de 2017, entrará torpedeiro da classe 45, que depois será enviado à Bulgária e Romênia no âmbito de atividades da OTAN.


Postar um comentário