Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialistas: aumenta o risco de guerra entre os EUA, a Rússia e a China

O desenvolvimento de novos tipos de armas nucleares de "baixa potência" aumenta o risco de uma guerra entre os EUA, a Rússia e a China, segundo especialistas consultados por Newsweek.
Sputnik

O Pentágono está desenvolvendo dois novos tipos de armas nucleares, para acompanhar os progressos da Rússia e da China nesse terreno. Os especialistas tiveram acesso às minutas do projeto de doutrina nuclear norte-americana, que acusa Moscou e Pequim de ampliar as suas capacidades nucleares. 


Esse documento afirma a necessidade de "desenvolver e incorporar novos meios de contenção e de defesa dos objetivos, quando a contenção não funciona".

Entre outras medidas, o projeto revela a intenção de desenvolver ogivas nucleares de baixa potência para mísseis Trident, utilizados por submarinos da classe Ohio. Além disso, o departamento de Defesa dos EUA planeja desenvolver um míssil nuclear de baixa potência para suas bases marítimas.

O Pentágono considera o atual arsenal nuclear a disposi…

'Continuaremos apoiando Ucrânia': Londres joga indiretas para Trump

Como destaca a edição Telegraph, o ministro chegou a Kiev para apoiar os ucranianos devido à tomada de posse do presidente eleito dos EUA, Donald Trump, conhecido por ser cordial em relação à Rússia.


Sputnik

Ao comentar as inquietações ligadas à possibilidade de os EUA reduzirem o apoio à Ucrânia, Fallon sublinhou que os valores do Reio Unido, tais como democracia e liberdade, não estão à venda. Como escreve a Telegraph, esta frase é principalmente destinada à administração de Trump. 


Londres, Reino Unido
Londres, Inglaterra © Foto: Pixabay

"O Reino Unido intensifica influência no palco internacional e tem intenção de apoiar seus amigos ucranianos. Londres envia sinal claro sobre a fidelidade à proteção da democracia de todo mundo e do apoio da soberania, independência e integridade da Ucrânia", declarou Fallon citado pela Telegraph.

Ele também prometeu que os instrutores militares britânicos ampliarão o programa de treinamentos da Marinha ucraniana e da Força Armada. Como lembra a edição, militares do Reino Unido já treinaram cerca de 5 mil soldados ucranianos.

Foi também destacado que, em breve, pela primeira vez em dez anos, o navio militar da Marinha britânica visitará a Ucrânia. Em particular, ao porto de Odessa, no terceiro trimestre de 2017, entrará torpedeiro da classe 45, que depois será enviado à Bulgária e Romênia no âmbito de atividades da OTAN.


Postar um comentário