Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA confirmam linha estratégica de 'desmembramento da Síria', diz analista

Os EUA declararam que não querem restaurar as regiões na Síria que estão sob o controle de Damasco. O especialista Vladimir Fitin explica na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik o que busca Washington.
Sputnik

Os EUA não querem ajudar na reconstrução das regiões na Síria que ficam sob o controle do presidente sírio Bashar Assad, declarou um alto funcionário dos EUA após o primeiro dia do encontro dos ministros das Relações Exteriores do G7.


Em janeiro, o Departamento de Estado dos EUA afirmou que Washington não iria ajudar a Rússia, o Irã e Damasco oficial na restauração do país, enquanto a "transformação política" da Síria não se realizasse. Segundo declarou o assistente adjunto do secretário de Estado dos EUA para o Médio Oriente, David Satterfield, a condição da ajuda é a reforma constitucional e eleições sob os auspícios da ONU.

O analista do Instituto dos Estudos Estratégicos da Rússia, Vladimir Fitin, na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik comentou a decla…

Em até 30 dias, Trump quer plano para derrotar Estado Islâmico

Presidente americano assinou ordem executiva com instruções para que o Pentágono apresente estratégia contra o grupo terrorista


Veja

Em seu agitado sábado, com direito a decreto contra imigrantes muçulmanos e telefonemas para diversos líderes mundiais, o presidente americano Donald Trump assinou uma ordem executiva com instruções para que o Pentágono apresente, em até 30 dias, uma estratégia para derrotar o grupo terrorista Estado Islâmico (EI). 

Presidente dos EUA, Donald Trump
Presidente dos EUA, Donald Trump, em cerimônia no Pentágono, em Washington (Carlos Baria/Reuters)

“Esse é o plano para derrotar o Estado Islâmico no Iraque e na Síria. Acredito que será muito bem-sucedido”, afirmou Trump enquanto assinava o decreto no Salão Oval, acompanhado do vice-presidente, Mike Pence, entre outros integrantes do governo.

Trump assinou o documento um dia após ter emitido outra ordem, a fim de “proteger o país da entrada de terroristas estrangeiros”, no qual suspendeu a entrada de cidadãos vindos de sete países com histórico de terrorismo – Líbia, Sudão, Somália, Síria, Iraque, Iêmen e Irã -, até mesmo os que possuem “green card”.

“Queremos garantir que não admitiremos no país a mesma ameaça que nossos soldados combatem no exterior. Só queremos admitir aqueles que apoiam nosso país e amam profundamente o nosso povo”, afirmou Trump nesta sexta-feira.

O magnata também assinou neste sábado uma ordem para reorganizar o Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, utilizado pelo presidente para abordar assuntos de segurança nacional e política externa com assessores e integrantes de seu gabinete.

Putin, o aliado

Donald Trump telefonou para vários líderes mundiais neste sábado, incluindo o presidente russo Vladimir Putin. O Kremlin divulgou o teor da conversa e informou que os dois concordaram em “estabelecer coordenação real de ações para combater o Estado Islâmico e outros grupos terroristas na Síria.”

O Kremlin afirma que os dois líderes vão manter “contato pessoal regularmente” e começar preparações para um encontro presencial. Putin ainda afirmou que “vê os Estados Unidos como o mais importante parceiro no combate ao terrorismo internacional”, segundo o comunicado. Os dois líderes, acrescenta, concordaram em priorizar “esforços conjuntos em combater a principal ameaça: o terrorismo internacional”.


Postar um comentário