Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA confirmam linha estratégica de 'desmembramento da Síria', diz analista

Os EUA declararam que não querem restaurar as regiões na Síria que estão sob o controle de Damasco. O especialista Vladimir Fitin explica na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik o que busca Washington.
Sputnik

Os EUA não querem ajudar na reconstrução das regiões na Síria que ficam sob o controle do presidente sírio Bashar Assad, declarou um alto funcionário dos EUA após o primeiro dia do encontro dos ministros das Relações Exteriores do G7.


Em janeiro, o Departamento de Estado dos EUA afirmou que Washington não iria ajudar a Rússia, o Irã e Damasco oficial na restauração do país, enquanto a "transformação política" da Síria não se realizasse. Segundo declarou o assistente adjunto do secretário de Estado dos EUA para o Médio Oriente, David Satterfield, a condição da ajuda é a reforma constitucional e eleições sob os auspícios da ONU.

O analista do Instituto dos Estudos Estratégicos da Rússia, Vladimir Fitin, na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik comentou a decla…

Exército dos EUA na Polônia divide perigosamente a sociedade (video)

Não obstante a primeira-ministra da Polônia Beata Szydlo saudar o envio de tropas dos EUA para o seu país, a sociedade se dividiu em relação a essa presença militar.


Sputnik


O governo polonês parece estar negligenciando a opinião pública. Os destacamentos do exército norte-americano desembarcados na Europa já chegaram à Polônia. A primeira-ministra polonesa saudou as tropas dos EUA no país. Mas tal ponto de vista não é compartilhado por todos. 

Tanques dos EUA chegando a Polônia

"O modo como os militares norte-americanos foram saudados pode ser considerado como um sinal de vassalagem ou de inquietação das elites políticas polonesas. <…> Acho que isto é devido a um sentimento subconsciente de que nem toda a sociedade concorda com a decisão tomada", disse o porta-voz do reitor da Escola Politécnica de Varsóvia, Janusz Niedzwiedzki, em entrevista à Sputnik Polônia.

De acordo com ele, segundo uma sondagem realizada no início de janeiro, mais de 36% dos respondentes consideram que a presença do exército dos EUA não reforça a segurança do país.

"Infelizmente, nos últimos tempos, o lobby dos falcões de Washington está ganhando força na Polônia. São pessoas que, de um lado, admiram patologicamente a presença militar e as batalhas e, de outro lado, são caracterizadas por uma russofobia primária. Tal combinação contribui para a formação da visão de um conflito, que segundo eles, irá acontecer cedo ou tarde", declarou o representante da Escola. 

De acordo com Niedzwiedzki, na verdade a Polônia não se interessa pelos conflitos geopolíticos ou pelos problemas do passado. Entretanto, estamos perante o deslocamento de material bélico estrangeiro para perto das fronteiras com a Rússia, o que escala consideravelmente a situação na região.



Postar um comentário