Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Netanyahu: Irã está criando exército contra Israel

O ministro das Relações Exteriores iraniano, Mohammad Javad Zarif, acusou Israel de violar o direito internacional e avisou Tel Aviv sobre as consequências caso o país continue seguindo a mesma linha anti-Irã. Em resposta, o primeiro-ministro israelense respondeu que a Guarda Revolucionária Iraniana pretende destruir o seu país.
Sputnik

Falando durante a sessão do Estado-Maior General das Forças de Defesa Israelenses (IDF, sigla em inglês), o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, criticou as recentes declarações de Teerã em relação a Tel Aviv.


"Hoje ouvi o que disse o chanceler iraniano, acusando Israel de violar direito internacional. Trata-se do ministro do Exterior de um país que envia drones militares contra Israel e mísseis contra a Arábia Saudita. Também ouvi palavras moderadas, e há um abismo enorme entre as palavras e as ações da Guarda Revolucionária [Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica] que está construindo um exército contra Israel com o objetivo declarado…

Iraque prepara ofensiva no oeste de Mossul, diz comandante

Cidade é a 2ª mais importante do país e o principal reduto do Estado Islâmico no Iraque. Grupo terrorista comanda Mossul desde 2014, mas sofre ofensiva desde outubro.


Reuters


As forças iraquianas começaram a preparar uma ofensiva para capturar o lado ocidental de Mossul, área que ainda é controlada pelo Estado Islâmico (EI), afirmou o tenente-general Abdul Ameer Rasheed Yarallah, comandante da operação. 

Resultado de imagem para mossul
Peshmergas a caminho de Mossul, Iraque © REUTERS/ Azad Lashkari

"Estamos preparando uma operação nos próximos dois, três dias para apoiar a operação de retomar a margem direita [da cidade]", que fica no lado ocidental do rio Tigres, afirmou o militar a uma TV local nesta terça-feira (24).

A ofensiva para recuperar a segunda cidade mais importante do Iraque e principal reduto do Estado Islâmico no país começou em 17 de outubro. Mossul é simbólica para o grupo terrorista porque foi nela que seu líder, Abub Bakr al Baghdadi, proclamou a instauração de um califado em junho de 2014.

A ofensiva é feita pela Mobilização Popular, uma coalizão de grupos xiitas predominantemente treinados no Irã que foi formada em 2014 para enfrentar o EI e tornou-se oficialmente parte das forças armadas iraquianas no ano passado.

Autoridades iraquianas anunciaram na segunda-feira (23) que o lado oriental da cidade, localizada no norte do Iraque, foi retomado do grupo terrorista após quase 100 dias de combates.

A região norte do país é rica em poços de petróleo e a venda do produto se tornou uma importante fonte de rendas para o grupo terrorista. A cidade fica perto da fronteira com a Turquia e tem uma posição estratégica para o comércio local.

Para o governo iraquiano, a tomada de Mossul seria uma demonstração de força e de credibilidade. O exército iraquiano já retomou outras cidades importantes do grupo, como Tikrit (em abril de 2015), Ramadi (em dezembro de 2015) e Fallujah (em junho de 2016).

Postar um comentário