Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialistas: aumenta o risco de guerra entre os EUA, a Rússia e a China

O desenvolvimento de novos tipos de armas nucleares de "baixa potência" aumenta o risco de uma guerra entre os EUA, a Rússia e a China, segundo especialistas consultados por Newsweek.
Sputnik

O Pentágono está desenvolvendo dois novos tipos de armas nucleares, para acompanhar os progressos da Rússia e da China nesse terreno. Os especialistas tiveram acesso às minutas do projeto de doutrina nuclear norte-americana, que acusa Moscou e Pequim de ampliar as suas capacidades nucleares. 


Esse documento afirma a necessidade de "desenvolver e incorporar novos meios de contenção e de defesa dos objetivos, quando a contenção não funciona".

Entre outras medidas, o projeto revela a intenção de desenvolver ogivas nucleares de baixa potência para mísseis Trident, utilizados por submarinos da classe Ohio. Além disso, o departamento de Defesa dos EUA planeja desenvolver um míssil nuclear de baixa potência para suas bases marítimas.

O Pentágono considera o atual arsenal nuclear a disposi…

Militares dos EUA culpam Rússia de criar armamento antissatélite

O Comando Estratégico dos Estados Unidos (STARTCOM) acredita que a Rússia está desenvolvendo armamento contra satélites, incluindo com tecnologia de laser.


Sputnik

Segundo o chefe do STARTCOM, general John Hyten, Moscou atualmente está investigando "determinadas possibilidades militares que podem ameaçar nossos satélites".


Satélites
© NASA. 

O general destacou que o uso do armamento pode causar muitos destroços que dificultarão o funcionamento das naves espaciais em órbita.

Além disso, o STRATCOM considera que a China também continua a realizar exercícios de seus sistemas de defesa "em várias órbitas".

"No futuro próximo elas [a Rússia e a China] poderão usar as capacidades para ameaçar qualquer nave espacial que fica no espaço. Devemos evitá-lo, e a melhor maneira de evitar a guerra é estar pronto para ela. Isso é o que os EUA vão fazer. Vamos garantir que todos saibam que estamos prontos para a guerra", afirmou John Hyten.



Postar um comentário