Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialistas: aumenta o risco de guerra entre os EUA, a Rússia e a China

O desenvolvimento de novos tipos de armas nucleares de "baixa potência" aumenta o risco de uma guerra entre os EUA, a Rússia e a China, segundo especialistas consultados por Newsweek.
Sputnik

O Pentágono está desenvolvendo dois novos tipos de armas nucleares, para acompanhar os progressos da Rússia e da China nesse terreno. Os especialistas tiveram acesso às minutas do projeto de doutrina nuclear norte-americana, que acusa Moscou e Pequim de ampliar as suas capacidades nucleares. 


Esse documento afirma a necessidade de "desenvolver e incorporar novos meios de contenção e de defesa dos objetivos, quando a contenção não funciona".

Entre outras medidas, o projeto revela a intenção de desenvolver ogivas nucleares de baixa potência para mísseis Trident, utilizados por submarinos da classe Ohio. Além disso, o departamento de Defesa dos EUA planeja desenvolver um míssil nuclear de baixa potência para suas bases marítimas.

O Pentágono considera o atual arsenal nuclear a disposi…

Trump diz que Otan está 'obsoleta' e política de asilo de Merkel é 'catastrófica'

Presidente eleito dos EUA também falou ao jornal alemão 'Bild' sobre Brexit e sanções à Rússia.


EFE


O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, considerou em uma entrevista ao jornal alemão "Bild" que a Otan está "obsoleta" e acusa a chanceler, Angela Merkel, de ter cometido "um erro catastrófico" com sua política de refugiados. 

Resultado de imagem para trump
Presidente eleito Donald Trump (Foto: Evan Vucci/ AP)

Na entrevista, antecipada neste domingo (15) pelo popular jornal, Trump afirma que para ele a Aliança Atlântica é "muito importante", mas lembra que foi projetada há muito tempo e não se ocupou do terrorismo.

Denuncia, além disso, que muitos Estados não investem o necessário em defesa.

"Devemos proteger esses países, mas muitos deles não pagam o que deveriam", ressaltou Trump, estimando que é "injusto" para os EUA.

Cinco dias antes de sua posse, o republicano elogiou Merkel como "uma das mais importantes chefes de governo, com diferença", mas criticou duramente sua política de refugiados.

Segundo sua opinião, ela cometeu "um erro catastrófico ao ter deixado entrar no país todos esses ilegais".

Trump respaldou, além disso, a decisão do Reino Unido de deixar a União Europeia, acreditando que mais países seguirão esse caminho porque "os países querem sua própria identidade" e não desejam, na sua opinião, que venham de fora de seu território para "destroçá-lo".

Após lembrar que a UE foi criada em parte para enfrentar comercialmente os EUA, Trump afirmou que para ele é indiferente que os europeus estejam unidos ou separados.

Trump ressaltou a necessidade de reforçar os controles de fronta nos EUA e não descartou que os europeus possam ser afetados, deixando claro que não agirá como a Alemanha.

"Não queremos que venha gente da Síria que não sabemos quem é", acrescentou.

Sobre a possibilidade de suspender as sanções impostas à Rússia, o presidente eleito apontou que se pode chegar a um acordo com Moscou e para a necessidade de reduzir o armamento nuclear.


Postar um comentário