Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Washington Times: gravações vazadas de Kerry indicam que EUA tentaram utilizar Daesh para derrubar Bashar Assad

A administração do presidente cessante dos EUA, Barack Obama, contava com que o alastramento do Daesh, agrupamento terrorista radical, levasse a Rússia a negociar com Washington quanto à destituição de Assad, diz o jornal Washington Times, citando gravações dos comentários do atual secretário de Estado norte-americano, John Kerry.


Sputnik


Antes de a Rússia começar a prestar apoio militar à Síria no âmbito do combate aos radicais, a administração de Barack Obama acreditava que a expansão do Daesh ajudaria a fazer com que o presidente sírio, Bashar Assad, participasse das negociações com Washington, diz a edição. 

John Kerry
Secretário de Estado dos EUA John Kerry © AFP 2016/ BRENDAN SMIALOWSKI

Segundo o Washington Times, tais declarações foram feitas pelo secretário de Estado norte-americano, John Kerry, durante uma conversa a portas fechadas com ativistas sírios, à margem de uma sessão da Assembleia Geral da ONU, sendo que foram gravadas na época e vazadas alguns meses depois. 

Mais cedo, o site WikiLeaks divulgou um link com a gravação áudio da conversa de Kerry, datada de outubro do ano passado. 

"O que levou a Rússia a entrar [na Síria]" foi o fortalecimento do Daesh", disse Kerry. "[O Daesh] estava ameaçando a hipótese de chegar a Damasco e por aí adiante. Estávamos acompanhando isso. Víamos que [o Daesh] estava ganhando força e pensávamos que Assad estava em perigo [de ser destituído]", adiantou. 

O conflito armado na Síria continua desde março de 2011. As tropas governamentais estão se opondo aos militantes de vários agrupamentos armados. Desde 30 de setembro de 2015, a pedido do presidente sírio Bashar Assad, a Rússia começou a efetuar ataques aéreos contra as posições dos terroristas no território sírio.


Postar um comentário