Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha e Aeronáutica do Brasil auxiliam buscas a submarino argentino desaparecido, diz ministro

Segundo Raul Jungmann, três navios e um avião brasileiros já foram disponibilizados. Última vez que o submarino militar com 44 pessoas a bordo manteve contato com a base foi na quarta-feira (15).
Por G1, Brasília

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, publicou em seu perfil no Twitter neste sábado (18) que três navios da Marinha brasileira "já estão auxiliando" nas buscas a um submarino argentino que desapareceu com 44 tripulantes a bordo.

Ainda segundo o ministro, a Força Aérea Brasileira (FAB) disponibilizou um avião para também ajudar na procura pelo submarino e um segundo avião "será deslocado para apoiar as buscas do submarino argentino desaparecido" a partir deste domingo (19).

O submarino militar ARA San Juan manteve contato com a base pela última vez na manhã de quarta-feira (15), quando estava no sul do Mar Argentino, a 432 quilômetros da costa patagônica do país.

De acordo com a FAB, o primeiro avião disponibilizado pelo Brasil decolou, com 18 tripulantes, às 17…

‘Combates atingem proporção preocupante no Sudão do Sul’, diz ONU

A Missão da ONU no Sudão do Sul expressou nessa semana forte preocupação com a escalada da violência entre o governo e as forças da oposição às margens do rio Nilo, no norte do Sudão do Sul.


ONU

A ONU expressou na quinta-feira (9) forte preocupação com a escalada da violência entre o governo do Sudão do Sul e as forças da oposição às margens oeste do rio Nilo, no norte do país.


Mais de 9 mil pessoas deslocadas estão abrigadas em uma igreja em Wau, no Sudão do Sul. Foto: UNICEF/Ohanesian
Mais de 9 mil pessoas deslocadas estão abrigadas em uma igreja em Wau, no Sudão do Sul. Foto: UNICEF/Ohanesian

“O que começou com uma troca de fogo entre o Exército Popular de Libertação do Sudão (SPLA) e as forças de oposição de Aguelek expandiu-se geograficamente e alcançou uma proporção preocupante”, destacou o chefe da Missão da ONU no Sudão do Sul (UNMISS), David Shearer.

“As operações militares na margem ocidental do rio Nilo estão ocorrendo em uma área onde as pessoas, predominantemente da etnia shilluk, vivem, forçando os civis a sair de suas casas. Há relatos de que a cidade de Wau Shilluk está deserta. Trabalhadores humanitários foram evacuados e ajuda não está sendo prestada”, acrescentou.

Na quarta-feira, a UNMISS recebeu relatos de hostilidades entre as partes em conflito em Owachi e Tonga.

Em visita às regiões de Bentiu e Leer, o chefe da Missão se reuniu com autoridades do governo estadual, bem como com deslocados internos que vivem na maior área de proteção de civis do país.

Ele discutiu com as autoridades locais e também aproveitou a oportunidade para viajar a uma área controlada pela oposição, a fim de se reunir com os representantes e ouvir todas as opiniões de como facilitar a entrega de ajuda humanitária e avançar no processo de paz.

A oposição local afirmou ao chefe da Missão que apoia a cessação das hostilidades e permanece em um posição defensiva, de modo a encorajar o retorno das agências humanitárias a Leer.

“Tanto as autoridades locais como a oposição elogiaram a ONU pelos seus esforços em facilitar as comunicações entre os lados”, acrescentou Shearer, afirmando que ambos as partes reconhecem que um diálogo nacional inclusivo ajudará o processo de paz.
Conselheiro especial da ONU para a prevenção do genocídio também manifesta preocupação

O conselheiro especial das Nações Unidas para a prevenção do genocídio, Adama Dieng, também expressou preocupação com a violência continua em algumas áreas do país.

“O presidente Salva Kiir havia se comprometido com o fim da violência e com a construção da paz no país. No entanto, ainda continuamos assistindo a combates em curso, e o risco que atrocidades em massa aconteçam é permanente”, destacou.

Mais de 52 mil sul-sudaneses fugiram para Uganda apenas em janeiro, saindo principalmente de Yei, Morobo, Lainya e Kajo-Keji.

Cerca de 24 mil chegaram entre 25 e 31 de janeiro, dos quais 4.500 chegaram em um único dia, no dia 28 de janeiro. Muitos relataram o assassinato de civis, a destruição de lares, a violência sexual e a pilhagem de gado e de propriedade, e citam o medo de serem presos e torturados.

Adama Dieng afirmou que está especialmente preocupado com a situação em Kajo-Keji, na Equatoria Central (sul de Juba), de onde os civis fugiram com medo da violência em massa.

Apesar das extensas discussões no Conselho de Segurança da ONU, realizadas em novembro e dezembro de 2016, sobre uma proposta de impor um embargo de armas no Sudão do Sul e aumentar as sanções específicas, os acordos não foram alcançados.

Nessa sexta-feira (10), a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) informou que, desde dezembro de 2013, mais de 1,5 milhão de pessoas já foram forçadas a deixar o Sudão do Sul por conta dos conflitos no país. O número faz da situação da nação em guerra a pior crise de refugiados da África e a terceira maior do mundo, atrás apenas da Síria e do Afeganistão.

O organismo internacional emitiu um apelo a todas as partes envolvidas nos confrontos para que busquem, com urgência, uma resolução pacífica. Além dos que tiveram de deixar o país, outros 2,1 milhões de indivíduos são considerados deslocados internos, ou seja, são pessoas que abandonaram suas casas e as cidades onde moravam, mas que permaneceram dentro do território sul-sudanês.


Postar um comentário